Com aumento de contágios e mortes por coronavírus, volta às aulas pode ficar só para 2021

26/05/2020 06:59

Reabertura de escolas pode levar a mais casos e óbitos. E não apenas professores e alunos seriam as vítimas, avaliam especialistas.

COMPARTILHE!

Publicidade

O Brasil ainda não se preparou para garantir sequer produtos básicos de segurança — como máscaras — para toda a população. Imagem: aplicativo Canva.
O Brasil ainda não se preparou para garantir sequer produtos básicos de segurança — como máscaras — para toda a população. Imagem: aplicativo Canva.

Educação | Segundo repercute na mídia em todo o mundo, o Brasil já é um dos países com mais contaminação e óbitos provocados por coronavírus. No geral, já estamos na segunda posição, com 374.898 casos e 23.473 mortes, de acordo com boletim do Ministério da Saúde divulgado segunda-feira (25). Não à toa, Donald Trump, presidente dos EUA, proibiu novas entradas de brasileiros em território norte-americano. O país de Trump é o campeão em infecções e perdas por Covid-19.

Esse aumento de infectados e óbitos por coronavírus no Brasil pode adiar a reabertura das escolas cada vez mais. Não há, pelo menos a curto prazo, perspectivas concretas de controle eficaz da pandemia em nosso País.

Por conta disso, para muitos especialistas, o mais provável é que aulas presenciais só retornem em 2021, pois volta precipitada poderia levar a mais vítimas entre professores, alunos e outros. Continua, após o anúncio.

Perigos do retorno

O biólogo Bruno S Silva fez, a pedido do Dever de Classe, uma lista com problemas em relação à reabertura das escolas nesses tempos de pandemia. Itens, segundo nos informa, são apontados também por outros especialistas das áreas médicas e sanitárias em todo o mundo. Veja:

  • Escolas são por natureza locais de aglomeração, ou seja, propícias à disseminação da doença.
  • Crianças, no geral, são assintomáticas em relação ao vírus, o que as torna transmissoras em potencial do mesmo. Continua, após o anúncio.
  • Muitos professores possuem doenças preexistentes e são, por isso, mais vulneráveis ainda ao contágio e à morte pelo vírus.
  • Alunos e professores contaminados espalhariam o vírus para mais pessoas, inclusive de suas famílias.
  • Estabelecimentos de ensino, principalmente públicos, não têm condições de segurança que permitam um isolamento interno adequado para o retorno às aulas.

Mais empecilhos

Além dos problemas estruturais das escolas e das condições objetivas desfavoráveis aos alunos e profissionais do magistério, outros fatores também empurram a volta das aulas mais para a frente. Continua, após o anúncio.

Um desses fatores é que o hoje o Brasil não tem sequer um ministro titular da Saúde. Desde que o médico Nelson Teich deixou o cargo e o general Eduardo Pazuello assumiu a pasta interinamente, a única coisa feita foi a liberação geral da cloroquina, medicamento desaprovado pela OMS e ampla maioria dos médicos. Droga, além de não ser eficaz contra o coronavírus, é responsável pela morte de muitos pacientes.

Pelo que se observa, portanto, o sensato ter mesmo um pouco mais de paciência em relação à reabertura das escolas. Não é bom correr o risco de contaminar em massa alunos e profissionais do magistério.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...