Com aumento de contágios e mortes por coronavírus, volta às aulas pode ficar só para 2021

26/05/2020

Reabertura de escolas pode levar a mais casos e óbitos. E não apenas professores e alunos seriam as vítimas, avaliam especialistas.

COMPARTILHE!

Publicidade

O Brasil ainda não se preparou para garantir sequer produtos básicos de segurança — como máscaras — para toda a população. Imagem: aplicativo Canva.
O Brasil ainda não se preparou para garantir sequer produtos básicos de segurança — como máscaras — para toda a população. Imagem: aplicativo Canva.

Educação | Segundo repercute na mídia em todo o mundo, o Brasil já é um dos países com mais contaminação e óbitos provocados por coronavírus. No geral, já estamos na segunda posição, com 374.898 casos e 23.473 mortes, de acordo com boletim do Ministério da Saúde divulgado segunda-feira (25). Não à toa, Donald Trump, presidente dos EUA, proibiu novas entradas de brasileiros em território norte-americano. O país de Trump é o campeão em infecções e perdas por Covid-19.

Esse aumento de infectados e óbitos por coronavírus no Brasil pode adiar a reabertura das escolas cada vez mais. Não há, pelo menos a curto prazo, perspectivas concretas de controle eficaz da pandemia em nosso País.

Por conta disso, para muitos especialistas, o mais provável é que aulas presenciais só retornem em 2021, pois volta precipitada poderia levar a mais vítimas entre professores, alunos e outros. Continua, após o anúncio.

Perigos do retorno

O biólogo Bruno S Silva fez, a pedido do Dever de Classe, uma lista com problemas em relação à reabertura das escolas nesses tempos de pandemia. Itens, segundo nos informa, são apontados também por outros especialistas das áreas médicas e sanitárias em todo o mundo. Veja:

  • Escolas são por natureza locais de aglomeração, ou seja, propícias à disseminação da doença.
  • Crianças, no geral, são assintomáticas em relação ao vírus, o que as torna transmissoras em potencial do mesmo. Continua, após o anúncio.
  • Muitos professores possuem doenças preexistentes e são, por isso, mais vulneráveis ainda ao contágio e à morte pelo vírus.
  • Alunos e professores contaminados espalhariam o vírus para mais pessoas, inclusive de suas famílias.
  • Estabelecimentos de ensino, principalmente públicos, não têm condições de segurança que permitam um isolamento interno adequado para o retorno às aulas.

Mais empecilhos

Além dos problemas estruturais das escolas e das condições objetivas desfavoráveis aos alunos e profissionais do magistério, outros fatores também empurram a volta das aulas mais para a frente. Continua, após o anúncio.

Um desses fatores é que o hoje o Brasil não tem sequer um ministro titular da Saúde. Desde que o médico Nelson Teich deixou o cargo e o general Eduardo Pazuello assumiu a pasta interinamente, a única coisa feita foi a liberação geral da cloroquina, medicamento desaprovado pela OMS e ampla maioria dos médicos. Droga, além de não ser eficaz contra o coronavírus, é responsável pela morte de muitos pacientes.

Pelo que se observa, portanto, o sensato ter mesmo um pouco mais de paciência em relação à reabertura das escolas. Não é bom correr o risco de contaminar em massa alunos e profissionais do magistério.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...
Sobras de recursos devem ser pagas em forma de abono até o dia 31 deste mês. Devido ao aumento do percentual mínimo que deve ser gasto durante o ano com o magistério e ausência de reajuste salarial, estados, DF e municípios devem devolver dinheiro não utilizado aos educadores. Preencha os campos e veja o resultado em seguida.
Quem tem carga horária menor receberá menos, R$ 12.400. Benefícios desse tipo estão sendo anunciados e pagos em todo o Brasil e são obrigatórios, caso um prefeito ou governador não tenha gasto neste ano o percentual mínimo de 70% do Fundeb com a folha do magistério. Educadores de todas as localidades têm de cobrar do Conselho desse fundo e...
Prefeitos e governadores, principalmente os primeiros, anunciam ações radicalizadas neste mês de dezembro para tentar derrubar o reajuste de 31,3% previsto para o magistério. Em sentido contrário, isto é, em defesa desse aumento, categoria deve também partir para a ação.