Enquanto Bolsonaro e seus ministros querem reabrir escolas, presidente do Albert Einstein diz que o pior ainda está por vir

22/04/2020

Educação / O experiente médico diz que é preciso evitar o que ocorreu em Singapura, onde escolas e empresas abertas levaram a aumento significativo de casos de coronavírus.

COMPARTILHE!

Publicidade

O cirurgião Sidney Klajner, presidente do Hospital Albert Einstein, deu entrevista ao jornal Folha de S.Paulo (22) onde contradiz tudo o que Jair Bolsonaro e seus ministros pregam em relação ao coronavírus. 

Enquanto os mais altos mandatários do País minimizam a doença e querem a qualquer custo reabrir escolas e comércio em geral, o experiente e conceituado médico diz que o pior ainda está por vir. 

Neste sentido, aponta que é preciso reforçar o isolamento social para que não ocorra aqui o que ocorreu em Singapura. Nesta localidade da China, escolas e empresas abertas levaram a um aumento significativo dos casos da pandemia. Por isso, o isolamento agora lá está sendo feito de uma forma muito dura para toda a população. Continua, após o anúncio.

Leia também:

  1. Ministro diz que no máximo morrerão uns 40 mil e pede que prefeitos e governadores reabram as escolas
  2. Bolsonaro anuncia retorno  às aulas a partir de segunda-feira, 27
  3. Biólogo alerta sobre perigo de voltar às aulas antes do segundo semestre
  4. Bolsonaro manda professores e alunos para o corredor da morte, diz biólogo

Veja trechos do que o presidente do Albert Einstein declarou à Folha

Sobre isolamento vertical ou seletivo, ou seja, só para idosos e grupos de risco:

"Essa possibilidade não deveria nem ser discutida por enquanto." Para o médico, como se pode deduzir, o isolamento social deve ser o mais amplo possível. Continua, após o anúncio.

Sobre proteção e proibição de aglomerações:

"Máscaras, mesmo as de pano, tem que ser incentivado. Se 60% das pessoas usarem máscaras, a taxa de transmissão cai de 2 para 1. É um efeito monstruoso na prevenção. Mas nenhuma estratégia será vitoriosa sozinha. A higienização das mãos deve cada vez mais ser obrigatória. A proibição de aglomerações também tem papel importante." (Grifo nosso).

Sobre o pior que ainda estaria por vir:

"A gente ainda não chegou ao pior, especialmente no setor público. Infelizmente, as projeções aqui no país, por falta de testagem, muitas vezes não se confirmam. Os epidemiologistas dizem que os dados podem ter atraso de dez dias e que a taxa de mortalidade pode ser muito maior do que aquela que a gente está vendo."

Diante de tais declarações, o que seria mais correto e sensato fazer: seguir o médico ou o inconsequente Jair Bolsonaro e seus tresloucados ministros?

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...
Sobras de recursos devem ser pagas em forma de abono até o dia 31 deste mês. Devido ao aumento do percentual mínimo que deve ser gasto durante o ano com o magistério e ausência de reajuste salarial, estados, DF e municípios devem devolver dinheiro não utilizado aos educadores. Preencha os campos e veja o resultado em seguida.
Quem tem carga horária menor receberá menos, R$ 12.400. Benefícios desse tipo estão sendo anunciados e pagos em todo o Brasil e são obrigatórios, caso um prefeito ou governador não tenha gasto neste ano o percentual mínimo de 70% do Fundeb com a folha do magistério. Educadores de todas as localidades têm de cobrar do Conselho desse fundo e...
Prefeitos e governadores, principalmente os primeiros, anunciam ações radicalizadas neste mês de dezembro para tentar derrubar o reajuste de 31,3% previsto para o magistério. Em sentido contrário, isto é, em defesa desse aumento, categoria deve também partir para a ação.