Câmara discute piso de R$ 4.650 e jornada máxima de 30 horas semanais para psicólogos

30/08/2021

Audiência Pública será na Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados. Dois projetos serão discutidos, um relativo à questão salarial, e outro referente à jornada de trabalho para esses profissionais.

Publicidade

Profissão de psicólogo está regulamentada há 59 anos no Brasil. Imagem: aplicativo Canva.
Profissão de psicólogo está regulamentada há 59 anos no Brasil. Imagem: aplicativo Canva.

Economia | Em 2022, celebram-se os 60 anos da regulamentação da profissão de psicólogo no Brasil. É um bom tempo, algo que já deveria ter motivado as autoridades públicas a olhar com mais interesse para essa importante categoria de profissionais. 

Neste sentido, segundo a Agência Câmara de Notícias:

"A Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados promove audiência pública nesta segunda-feira (30) para discutir dois projetos de lei relacionados à atividade profissional dos psicólogos." Continua, após o anúncio.

Ainda segundo a Agência Câmara de Notícias:

"O primeiro (PL 2079/19), de autoria do deputado Mauro Nazif (PSB-RO), fixa em R$ 4.650 o piso salarial da categoria, a ser reajustado no mês de publicação da futura lei, pela variação acumulada do INPC de fevereiro de 2009; e anualmente, a partir do ano subsequente ao do primeiro reajuste, pela variação acumulada pelo INPC nos doze meses imediatamente anteriores."

"A outra proposta (PL 1214/19), da deputada Erika Kokay (PT-DF), limita a carga de trabalho dos psicólogos a 30 horas semanais."

Compartilhe e curta abaixo nossa página no Facebook, para receber atualizações sobre este tema.

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Doar com PagSeguro

Curta nossa página e receba atualizações sobre este tema!

Mais recentes sobre economia

Dia 10 foram R$ 6,7 bilhões. Nesta quinta-feira (20) entrarão mais quase R$ 2 bilhões. Valores relativos ao FPM são bem maiores que os recebidos no mesmo período de 2021. 20% vão para o Fundeb, o que ajuda a viabilizar o reajuste de 33,23% dos professores.
Sangria nos salários de quem não está mais na ativa se intensificou a partir da Reforma da Previdência criada pelo presidente Bolsonaro. Cortes nos benefícios chegam a até 14% mensais.
R$ 5,4 bilhões entrarão dia 10 nos cofres municipais. Segundo dados da Secretaria do Tesouro Nacional (STN), o decêndio é 15,24% maior do que o mesmo repasse de janeiro de 2021. Sem dúvidas, um bom incentivo inicial que pode ajudar no pagamento do piso do(a) professor(a).