Na volta às aulas, no primeiro atchim todo mundo corre para casa

25/01/2021

Se escolas reabrirem em plena pandemia, o clima entre professores, demais funcionários e alunos será de pavor.

Publicidade

Imagem: aplicativo Canva.
Imagem: aplicativo Canva.

Educação | O noticiário sobre a pandemia de coronavírus continua em alta em todo o planeta. É difícil encontrar uma criança acima dos cinco anos que não saiba dizer alguma coisa sobre a peste. 

Só no Brasil, já são mais de 217 mil mortes e cerca de 9 milhões de casos confirmados. A essas alturas, é difícil também encontrar uma pessoa que não conheça pelo menos uma situação da doença na família ou entre amigos.

É nesse clima que se fala em reabrir as escolas públicas e privadas em fevereiro. Os defensores alegam que medidas protocolares podem ser tomadas de modo a garantir segurança para todos dentro do ambiente escolar. Continua, após o anúncio.

Os profissionais do magistério e todos os que conhecem ou lembram de como é uma escola por dentro, no entanto, sabem que essa segurança não existirá. 

Docentes e demais trabalhadores dos estabelecimentos escolares sequer foram incluídos como prioridade no Plano Nacional de Imunização do governo federal. Quanto aos alunos, nem em garantia de testes se fala.

Quem voltar é consciente de que estará exposto ao vírus e, na melhor das hipóteses, sabe também que poderá contraí-lo, ficar assintomático e sair por aí contaminando outras pessoas, sobretudo dentro da própria família.

Por isso, se escolas reabrirem em plena pandemia, o clima entre professores, demais funcionários e alunos será de pavor. No primeiro atchim, todo mundo corre para casa.

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes sobre educação...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
Objetivo é garantir ganho real para a categoria logo a partir de janeiro. Documento com outras importantes pautas dessa área foi entregue ao setor de educação da equipe de transição do futuro governo Lula.