"Bolsonaro esticou demais a corda; agora a coisa está muito feia para ele", diz jurista

18/01/2021

"O presidente usa o posto mais elevado do País para induzir as pessoas à morte e para mentir descaradamente. Motivos para impeachment existem aos montes."

Publicidade

O 'mito' pode está perto de cair. Foto: Agência Brasil.
O 'mito' pode está perto de cair. Foto: Agência Brasil.

Política | O presidente Jair Bolsonaro pode ser desapeado do poder bem antes do que imagina. O modo totalmente criminoso que usa para governar é motivo robusto para impeachment ainda neste 2021. 

Segundo o jurista Carlos N Nascimento, consultado pelo Dever de Classe, "Bolsonaro esticou demais a corda; agora a coisa está muito feia para ele. Motivos para afastamento existem aos montes." Veja, após o anúncio.

Por que o senhor acha que o presidente Bolsonaro pode cair?

Ele esticou a corda demais; agora a coisa está muito feia para ele. Motivos para impeachment existem aos montes.

Poderia dar um exemplo?

Existem dezenas, centenas. Mas os mais emblemáticos e graves dizem respeito ao modo criminoso como ele governa. No caso da Covid-19, por exemplo, ele usou o posto mais elevado do País para induzir milhares à morte. Ele é responsável direto por todos os óbitos no Brasil e pelo caos em Manaus. Não tem como continuar na presidência um genocida. O impeachment bateu à sua porta. Dificilmente ele conseguirá se livrar.

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
Objetivo é garantir ganho real para a categoria logo a partir de janeiro. Documento com outras importantes pautas dessa área foi entregue ao setor de educação da equipe de transição do futuro governo Lula.