Governador quase cumpre a lei e anuncia 31,3% ao magistério

23/01/2022

Percentual é retroativo a primeiro deste mês de janeiro e aposentados também terão direito. Associação divulgou tabela com valores.

Atualização de 33,23% bateu na trave, como se diz no mundo do futebol. Imagem: arquivos Webnode.
Atualização de 33,23% bateu na trave, como se diz no mundo do futebol. Imagem: arquivos Webnode.

Educação | Segundo nota no Facebook da Associação dos Professores em Licenciatura Plena do Estado da Paraíba (APLP), o governador João Azevêdo (PSB-PB) anunciou oficialmente reajuste de 31,3% para o magistério. Bateu na trave, como se diz no mundo do futebol. Para cumprir na íntegra a atualização salarial dos educadores em 2022, percentual deveria ser 33,23%. "Não é o total, mas já é alguma coisa", diz docente sobre o anúncio.

Tabela

A APLP divulgou tabela com o reajuste e informa que aposentados também terão direito. Correção será retroativa a janeiro. Ver mais detalhes, após o anúncio.

Leia também: 

Governador se equivoca

Segundo o portal Paraíba Notícia (19): "Caso o reajuste do governo federal for superior aos 31,02%, o governo do estadual pagará a diferença nos contracheques do mês de fevereiro, com efeito retroativo a janeiro."

Caso o governador João Azevêdo tenha feito mesmo tal promessa, ele está muito equivocado. O reajuste de 33,23% já está definido desde 2021, por conta do crescimento do custo aluno. 

Azevêdo, portanto, deveria logo cumprir a lei na íntegra e não esperar por algo que já foi divulgado. Falta pouco.

Compartilhe e curta abaixo nossa página no Twitter e Facebook, para receber atualizações sobre este tema. E aproveite também para deixar uma pequena doação ao nosso site.

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Chave para Pix

E-mail: pix@deverdeclasse.org - João R P Landim Nt 

Siga-nos!

Mais recentes sobre educação

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.