Em um único mês, governo Bolsonaro gastou mais de R$ 5,7 milhões apenas com propaganda no MEC

31/01/2021

Despesas com publicidade no Ministério da Educação cresceram de 2019 para 2020, mesmo sem aulas presenciais e em plena pandemia. Elevação contraria discurso de que não é mais possível pagar o auxílio emergencial.

Publicidade

Bolsonaro e ministro Paulo Guedes só não têm dinheiro para atender aos interesses do povo. Foto: Agência Brasil.
Bolsonaro e ministro Paulo Guedes só não têm dinheiro para atender aos interesses do povo. Foto: Agência Brasil.

Educação | Não é só com leite condensado, bombom, chiclete, vinho e toneladas de sal que o presidente Jair Bolsonaro e seu ministro da Economia Paulo Guedes gostam de torrar o dinheiro público. 

Levantamento feito nos gastos com publicidade apenas no Ministério da Educação (MEC) em 2019 e 2020 mostra que uma boa grana do povo está sendo gasta também com propaganda oficial. 

Em apenas um mês, foram gastos mais de R$ 5,7 milhões com publicidade no Ministério da Educação, mesmo com universidades e escolas da educação básica fechadas por conta da pandemia de Covid-19. 

Detalhe: boa parte das empresas prestadoras de serviço e beneficiadas com propaganda no MEC são totalmente desconhecidas do grande público.  Veja tabelas, após o anúncio.

Continua, após o anúncio..

Empresas desconhecidas

Muitas das empresas que prestaram serviços publicitários para o MEC e receberam pagamento do governo Bolsonaro são desconhecidas do grande público nacional. Exemplos que constam nos fornecedores do mês de dezembro de 2020:

  • ARTE LUX PRODUCOES CINEMATOGRAFICAS LTDA
  • E.P.B PAIVA 
  • ESCALA COMUNICACAO & MARKETING LTDA 
  • LOGICO AUDIO COMUNICACAO LTDA MOOD 
  • MOVIE PRODUCOES E COMUNICACAO EIRELI 
  • REDUTO DIGITAL LTDA 
  • SOLO PRODUCOES LTDA - ME 
  • VAPT FILMES PRODUÇÕES EIRELI

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes sobre educação...

Prefeitos e governadores querem empurrar a questão até próximo das eleições, quando dirão, também de forma descabida, que correção salarial estará proibida. Professores não devem iniciar o ano letivo para garantir o direito no máximo até fevereiro, aconselha especialista.
Professora Dorinha é presidente da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados e diz que não há lacuna para que o percentual de 33,23% não seja cumprido urgentemente, tal como reza a lei 11.738/2008. O Dever de Classe entrou em contato com a assessoria da parlamentar e obteve mais informações sobre as ações que poderão ser feitas.
Educadora diz que "é uma tristeza ver uma professora usar o nome de Deus para defender um presidente satânico e que "se não houver paralisação nacional e luta não haverá aumento de salário nenhum".