Deputados governistas aprovam calote de R$ 54 bi nos professores; veja os nomes

17/09/2021

Montante é dos precatórios do Fundef ganhos na Justiça por estados e municípios. Verba — que o governo quer protelar — é para ser paga a título de indenização aos educadores.

Publicidade

Deputada Bia Kicis (PSL-DF) é uma bolsonarista roxa e comandou na CCJ da Câmara o ataque aos educadores. Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados.
Deputada Bia Kicis (PSL-DF) é uma bolsonarista roxa e comandou na CCJ da Câmara o ataque aos educadores. Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados.

Educação | A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou por 32 votos a 26 a admissibilidade da Pec 23/21. Projeto é do presidente Jair Bolsonaro e é mais conhecido como "Pec do Calote".

Votação ocorreu na quinta-feira (16). Dispositivo propõe protelar por mais 10 anos ações de precatórios do governo federal que a Justiça já bateu o martelo e determinou que fossem pagos imediatamente. 

Parlamentares do PT, PSOL, PCdoB e PSB votaram 100% contra a medida caloteira do governo. 

Professores no prejuízo

No caso específico dos precatórios do antigo Fundef, o valor é de cerca de R$ 90 bilhões. Destes, R$ 54 bilhões (60%) são para pagamento de indenizações aos docentes. Já existe inclusive um Projeto de Lei na própria Câmara que reconhece esse direito dos professores. Com essa "Pec do Calote", contudo, caso pode emperrar.

Após o anúncio, veja os nomes dos deputados que votaram a favor do calote que o presidente Bolsonaro quer dar nos professores.

Votaram a favor do calote nos precatórios dos educadores

  • Bia Kicis (PSL-DF) - Presidiu a votação do calote 
  • Carlos Jordy (PSL-RJ)
  • Caroline de Toni (PSL-SC)
  • Daniel Freitas (PSL-SC)
  • FelipeFrancischini (PSL-PR)
  • Filipe Barros (PSL-PR)
  • Vitor Hugo (PSL-GO)
  • Hiran Gonçalves (PP-RR)
  • Marcelo Aro (PP-MG)
  • Margarete Coelho (PP-PI)
  • Pinheirinho (PP-MG)
  • Darci de Matos (PSD-SC)
  • Paulo Magalhães (PSD-BA)
  • Sérgio Brito (PSD-BA)
  • Bilac Pinto (DEM-MG) Continua, após o anúncio.
  • Geninho Zuliani (DEM-SP)
  • Juarez Costa (MDB-MT)
  • Giovani Cherini (PL-RS)
  • Magda Mofatto (PL-GO)
  • Sergio Toledo (PL-AL)
  • Lucas Redecker (PSDB-RS)
  • João Campos (REPUBLICANOS-GO)
  • Lafayette Andrada (REPUBLICANOS-MG) 
  • Marcos Pereira (REPUBLICANOS-SP)
  • Silvio Costa Filho (REPUBLICANOS-PE)
  • Diego Garcia (PODE-PR) 
  • Léo Moraes (PODE-RO)
  • Greyce Elias (AVANTE-MG)
  • Pastor Eurico (PATRIOTA-PE) Continua, após o anúncio.

Tramitação

Após essa aprovação na CCJ, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), poderá constituir uma comissão especial para analisar o mérito da medida. Para a aprovação definitiva de uma PEC, são necessários pelo menos 308 votos na Câmara e 49 no Senado Federal, em dois turnos. 

Em relação à "Pec do Calote", primeiro passo já foi dado.

Com informações da Agência Câmara de Notícias.

Compartilhe e curta abaixo nossa página no Facebook, para receber atualizações sobre este tema.

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

PIX - Celular 86988453625 João R P Landim Nt

Curta nossa página e receba atualizações sobre este tema!

Mais recentes sobre educação...

Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...
Sobras de recursos devem ser pagas em forma de abono até o dia 31 deste mês. Devido ao aumento do percentual mínimo que deve ser gasto durante o ano com o magistério e ausência de reajuste salarial, estados, DF e municípios devem devolver dinheiro não utilizado aos educadores. Preencha os campos e veja o resultado em seguida.
Quem tem carga horária menor receberá menos, R$ 12.400. Benefícios desse tipo estão sendo anunciados e pagos em todo o Brasil e são obrigatórios, caso um prefeito ou governador não tenha gasto neste ano o percentual mínimo de 70% do Fundeb com a folha do magistério. Educadores de todas as localidades têm de cobrar do Conselho desse fundo e...