Deputado que é contra usar Fundeb para valorizar professores já recebeu R$ 219 mil de salários em apenas seis meses

21/07/2020

COMPARTILHE!

Gastos gerais do parlamentar com salários e outros benefícios somam mais de R$ 400 mil no primeiro semestre.

Publicidade

Deputado Tiago Mitraud. Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados.
Deputado Tiago Mitraud. Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados.

Educação |  Durante discussão na Câmara, o deputado Tiago Mitraud (Novo-MG) criticou o uso do Fundeb para pagamento de salários. "Perde-se muito tempo defendendo interesses corporativistas e aumento de gastos não relacionados à qualidade do ensino. Aumentar salário [dos professores] não implica aumento de qualidade do ensino", declarou, segundo matéria da Agência Câmara de Notícias (20). 

Após o anúncio, veja quanto esse parlamentar já recebeu de dinheiro público em apenas seis meses para hostilizar os salários do pessoal do magistério. 

Nadando em dinheiro público

Segundo o Portal da Transparência da Câmara, o deputado Tiago Mitraud já recebeu a seguinte bolada nos seis primeiros meses de 2020 (R$):

  • Salário mensal: 33.763,00
  • Total até junho: 202.578
  • Antecipação de 50% do 13º salário: 16.881,50
  • Total Geral de Salários: 219.459,05. Continua, após o anúncio.

Regalias

O Portal da Transparência informa também que o deputado Tiago Mitraud teve direito no primeiro semestre deste ano a muitos benefícios que, somados ao polpudo salário, chegam a mais de R$ 400 mil. Veja (R$):

  • Cota Parlamentar: 4.838,38
  • Verba de Gabinete: 179.597,25
  • Total Geral de Salários e Benefícios: 403.894.68

Enquanto isso, o valor do piso nacional do magistério em 2020, para jornada de 40 horas semanais ou dois turnos, é apenas R$ 2.886,24.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...
Sobras de recursos devem ser pagas em forma de abono até o dia 31 deste mês. Devido ao aumento do percentual mínimo que deve ser gasto durante o ano com o magistério e ausência de reajuste salarial, estados, DF e municípios devem devolver dinheiro não utilizado aos educadores. Preencha os campos e veja o resultado em seguida.
Quem tem carga horária menor receberá menos, R$ 12.400. Benefícios desse tipo estão sendo anunciados e pagos em todo o Brasil e são obrigatórios, caso um prefeito ou governador não tenha gasto neste ano o percentual mínimo de 70% do Fundeb com a folha do magistério. Educadores de todas as localidades têm de cobrar do Conselho desse fundo e...
Prefeitos e governadores, principalmente os primeiros, anunciam ações radicalizadas neste mês de dezembro para tentar derrubar o reajuste de 31,3% previsto para o magistério. Em sentido contrário, isto é, em defesa desse aumento, categoria deve também partir para a ação.