100% dos recursos do Fundeb podem ser usados para pagar reajuste do magistério

15/03/2020

Educação / Dados expostos pelo Banco do Brasil mostram que prefeitos e governadores têm como cumprir a lei nacional do piso dos professores.

COMPARTILHE!

Publicidade

Imagem: aplicativo Canva
Imagem: aplicativo Canva

Em relação aos recursos do Fundeb e ao reajuste do piso dos professores, 12,84% neste 2020, documento que consta no site do próprio MEC é muito claro:

"É oportuno destacar que, se a parcela de recursos para remuneração é de no mínimo 60% do valor anual, não há impedimento para que se utilize até 100% dos recursos do Fundeb na remuneração dos profissionais do magistério."

Não há, portanto, razões plausíveis para que prefeitos e governadores descumpram a lei nacional do piso da categoria. Dados do Banco Brasil após o anúncio reforçam essa afirmativa.

Leia também:

Recursos

Os dados abaixo foram extraídos do site do Banco do Brasil e referem-se aos recursos do Fundeb relativos a apenas os 13 primeiros dias deste mês de março. Isto é a prova de que lei do piso pode ser cumprida.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Educadores repudiam descontos de salários e querem que o Sinte-Pi promova ação prática e urgente para que a governadora Regina Sousa (PT) reponha imediatamente o dinheiro cortado dos professores. Docentes exigem também que lotação original seja mantida.
No capitalismo, guerras são negócios, fome é negócio, crianças e idosos são negócios, miséria é negócio, "beleza" e "feiúra" são negócios, violência física e moral são negócios, o corpo é negócio, pessoas são negócio. Tudo é negócio...
"A lei do piso se transformará em mais uma norma sem sentido real". "Decisão se estenderá a todos os entes — estaduais e municipais." Ministro "Xandão" chegou a conclusão inusitada após embarcar em "informações e tese distorcidas prestadas pelo Estado do Pará". Avaliação consta em nota assinada pelo experiente advogado Walmir Brelaz, do Sintepp/Pa....