Petrobras vai demitir 10 mil em 2021; desde que Dilma saiu, 46 mil perderam o emprego na empresa

17/01/2021

O golpe de 2016 veio para arruinar a vida dos trabalhadores. E Bolsonaro, se não for detido, vai destroçar cada vez mais a economia do País.

Publicidade

Bolsonaro, o exterminador do presente. Foto: Agência Brasil
Bolsonaro, o exterminador do presente. Foto: Agência Brasil

Economia | Após anunciar 5 mil demissões no Banco do Brasil, o presiente Bolsonaro quer fazer um rapa também na Petrobras. Segundo a coluna do Lauro Jardim O Globo —, a empresa vai demitir 10 mil trabalhadores em 2021. 

Desde que a presidenta Dilma Roussef (PT) sofreu o golpe em 2016, 46 mil funcionários da empresa já foram mandados embora, fora os milhares de terceirizados que também perderam seus empregos.

O golpe de 2016 veio para arruinar a vida dos trabalhadores. E Jair Bolsonaro, se não for detido, vai destroçar cada vez mais a economia do País.  Continua, após o anúncio.

O que diz Lauro Jardim:

(...)

 A Petrobras vai ficar mais magra. Está iniciando o ano com 40 mil funcionários (e cerca de 100 mil terceirizados). Mas a expectativa da estatal é fechar 2021 com 30 mil, por causa dos PDVs em curso.

Para que o leitor entenda a magnitude do enxugamento [da catástrofe]: em 2014, a Petrobras contava com 86 mil funcionários e 360 mil terceirizados. 

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
Objetivo é garantir ganho real para a categoria logo a partir de janeiro. Documento com outras importantes pautas dessa área foi entregue ao setor de educação da equipe de transição do futuro governo Lula.