Comitê apresenta várias exigências para retorno seguro das aulas na América Latina

27/05/2020

Distribuição de kits sanitários, acesso a testes, distanciamento seguro nas salas de aula e outras medidas de proteção devem ser observadas na reabertura das escolas. 

COMPARTILHE!

Publicidade

Escolas só podem ser reabertas se regras básicas de proteção a professores e alunos forem cumpridas. Imagem: aplicativo Canva.
Escolas só podem ser reabertas se regras básicas de proteção a professores e alunos forem cumpridas. Imagem: aplicativo Canva.

Educação | O Comitê Regional da Internacional da Educação para a América Latina (IEAL) lançou uma série de exigências para a reabertura das escolas na região, o que inclui o Brasil e mais 19 países. Protocolo está em matéria da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação - CNTE (26).

Dentre as condições exigidas para o retorno seguro das aulas em tempos de coronavírus, estão: acesso a testes para alunos e profissionais do magistério, distribuição de kits sanitários, distanciamento correto na sala de aula e outras medidas protetivas, conforme veremos após o anúncio e a enquete.

Condições para reabertura das escolas

O Comitê Regional da IEAL propõe como medidas de segurança, dentre outras:

  • Que os governos e autoridades estabeleçam processos de diálogo com as organizações sindicais do setor educacional para definir as diferentes etapas da volta às atividades escolares. 
  • Que sejam gerados mecanismos para ouvir as propostas dos setores estudantis organizados, de maneira que eles possam participar na definição dessas etapas. Continua, após o anúncio.
  • Que sejam garantidas as condições necessárias de infraestrutura nas escolas para impedir a propagação do vírus: acesso à água, sabão e ventilação, entre outros.
  • Que o setor público garanta as condições de proteção para todas as pessoas nos estabelecimentos de ensino: distribuição de kits sanitários, acesso a testes, distanciamento seguro nas salas de aula ou outras medidas com instrumentos de proteção. 

Além disso, o Comitê Regional da IEAL destaca que os direitos trabalhistas dos trabalhadores e trabalhadoras em educação devem estar protegidos. Ou seja, governos não podem promover, por exemplo, cortes salariais por conta da pandemia. Continua, após o anúncio.

Apenas a Argentina

Segundo a matéria da CNTE, na América Latina apenas o governo da Argentina têm promovido o diálogo com os sindicatos da educação para decidir o momento seguro da reabertura das escolas.

No Brasil, bem ao contrário do país presidido por Alberto Fernández, o presidente Bolsonaro só se preocupa em divulgar a cloroquina, combater o isolamento social e em minimizar os efeitos letais da Covid-19.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...
Sobras de recursos devem ser pagas em forma de abono até o dia 31 deste mês. Devido ao aumento do percentual mínimo que deve ser gasto durante o ano com o magistério e ausência de reajuste salarial, estados, DF e municípios devem devolver dinheiro não utilizado aos educadores. Preencha os campos e veja o resultado em seguida.
Quem tem carga horária menor receberá menos, R$ 12.400. Benefícios desse tipo estão sendo anunciados e pagos em todo o Brasil e são obrigatórios, caso um prefeito ou governador não tenha gasto neste ano o percentual mínimo de 70% do Fundeb com a folha do magistério. Educadores de todas as localidades têm de cobrar do Conselho desse fundo e...
Prefeitos e governadores, principalmente os primeiros, anunciam ações radicalizadas neste mês de dezembro para tentar derrubar o reajuste de 31,3% previsto para o magistério. Em sentido contrário, isto é, em defesa desse aumento, categoria deve também partir para a ação.