Com Fundeb só em 2022, escolas públicas não abrirão em 2021, diz relatora da PEC 015/15

20/07/2020

COMPARTILHE!

Deputada Professora Dorinha diz que proposta do governo Bolsonaro levará a um apagão na educação pública.

Publicidade

Deputada Professora Dorinha. Foto: Gilmar Felix / Câmara dos Deputados.
Deputada Professora Dorinha. Foto: Gilmar Felix / Câmara dos Deputados.

Educação | A deputada Professora Dorinha (DEM-TO) faz um importante e sério alerta sobre a proposta do governo Bolsonaro de adiar o novo Fundeb para 2022. A parlamentar é a relatora da PEC 015/2015, que torna o Fundeb permanente. Ela diz que caso esse fundo seja adiado como quer o governo, haverá um apagão na educação pública e as escolas não funcionarão em 2021. Veja, após o anúncio.

Alerta da relatora

Extraído de matéria da Folha de S.Paulo (18):

[Adiar] "significaria um ano de 2021 sem Fundeb. Com a proposta de entrar em vigor só em 2022, vamos ter um apagão na educação pública, porque o Fundeb responde por 63% do financiamento da educação básica. Então a gente vai dizer que, em virtude da dificuldade financeira, da pandemia, nós vamos fechar as escolas. Vocês fiquem em casa, já ficaram 2020, fica mais 2021." 

O caso, como se percebe, é preocupante. Educadores devem ficar atentos. Esta semana será decisiva para os destinos do Fundeb e, consequentemente, para o funcionamento das escolas públicas e salários dos profissionais do magistério. Aguarde mais informações, a qualquer momento.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

1932. O mafioso Al Capone começa, em Atlanta, a cumprir uma sentença de onze anos de prisão por sonegação de impostos.

1979. Margaret Thatcher vence as eleições gerais do Reino Unido e torna-se a primeira mulher a ser primeira-ministra britânica.

No entendimento de José Professor Pachêco e Renato Coelho de Farias, a correção do piso deve ser pelo custo aluno executado, e não pelo custo aluno estimado. Deste modo, índice de 2024 é 4,70%, e não 3,62%. Nesta linha, valor nominal deste ano é R$ 4.633,44, em vez de R$ 4.580,57. Foi o que divulgamos aqui em matéria do Dever...