CNTE orienta sindicatos de todo o Brasil a decretar greves de não retorno às aulas presenciais

02/08/2020

Entidade diz que se qualquer um dos protocolos de segurança da OMS estiver sendo descumprido, ninguém deve voltar às escolas.

COMPARTILHE!

Publicidade

Imagem ilustrativa: aplicativo Canva.
Imagem ilustrativa: aplicativo Canva.

Educação | O professor Heleno Araújo  presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) — orienta sindicatos de todo o Brasil a fazer greves de não retorno às aulas presenciais caso qualquer protocolo de segurança da OMS em relação à Covid-19 não puder ser cumprido nos estabelecimentos de ensino. Continua, após o anúncio.

Protocolo único

Segundo matéria (30/07) no site da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Heleno Araújo declarou que defende um protocolo único de segurança para escolas públicas e privadas: 

"Nós defendemos a orientação da OMS para voltar às aulas com segurança e para isso é preciso que tenha controle sobre a contaminação e sobre o vírus, que os protocolos sejam discutidos amplamente com toda a comunidade escolar e que todas as medidas do protocolo sejam executadas."

Greve

"Caso qualquer um destes protocolos não seja colocado em prática orientamos sim a fazer uma greve de não retorno e para manter as atividades remotas e uma grande defesa da saúde e da vida", afirma Heleno

Após o anúncio, vote na enquete e dê também sua opinião.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

1932. O mafioso Al Capone começa, em Atlanta, a cumprir uma sentença de onze anos de prisão por sonegação de impostos.

1979. Margaret Thatcher vence as eleições gerais do Reino Unido e torna-se a primeira mulher a ser primeira-ministra britânica.

No entendimento de José Professor Pachêco e Renato Coelho de Farias, a correção do piso deve ser pelo custo aluno executado, e não pelo custo aluno estimado. Deste modo, índice de 2024 é 4,70%, e não 3,62%. Nesta linha, valor nominal deste ano é R$ 4.633,44, em vez de R$ 4.580,57. Foi o que divulgamos aqui em matéria do Dever...