Bolsonaro veta reajuste a servidores, mas antes editou MP's para favorecer policiais

28/05/2020 09:40

Congelamento vai até dezembro de 2021 e atinge funcionalismo da União, estados e municípios. Parte da base bolsonarista foi poupada.

COMPARTILHE!

Publicidade

Presidente usa tese de que servidores são culpados pela crise, inclusive a de coronavírus. Foto: Marcello Casal JrAgência Brasil.
Presidente usa tese de que servidores são culpados pela crise, inclusive a de coronavírus. Foto: Marcello Casal JrAgência Brasil.

Economia | O presidente Jair Bolsonaro sancionou ontem 27) o pacote de ajuda a estados e municípios por conta da pandemia de coronavírus. Na mesma medida, vetou reajustes para servidores da União, estados e municípios até dezembro de 2021. A decisão foi publicada no Diário Oficial desta quinta (28).

Antes de congelar os salários de milhões de funcionários públicos, o capitão editou duas medidas provisórias para livrar do arrocho parte da base bolsonarista. Uma favorece policiais civis e militares de Brasília e tem custo de meio bilhão de reais para a União. Outra, favorece a Polícia Federal. Informações estão em matéria de hoje (28) da Folha de S.PauloContinua, após o anúncio.

Justificativa cínica

Quando anunciou que iria congelar o salário dos servidores até dezembro de 2021, Bolsonaro disse que "é bom para o servidor." A Folha (21) destacou essa cínica justificativa. Disse o capitão:

"É bom para o servidor, porque o remédio é o menos amargo, mas é de extrema importância para todos os 210 milhões de habitantes."

Medida é tão "boa" para quase todos os servidores que Bolsonaro poupou parte de sua base desse "remédio menos amargo". Continua, após o anúncio.

Piso do magistério e outros reajustes prejudicados

Medida anunciada por Bolsonaro será mais um forte empecilho para o reajuste do piso nacional dos professores, inclusive o deste ano (12,84%), nos lugares onde ainda não foi cumprido.

"Prefeitos e governadores, com certeza, usarão projeto do governo federal como mais um argumento para querer negar os reajustes do magistério relativos a 2020 e 2021. Caberá aos sindicatos da categoria reagirem quanto a isso, pois o piso dos professores foi instituído por uma lei federal", disse o jurista Carlos N Freitas, consultado pelo Dever de Classe.

Freitas lembra também que no geral todo o funcionalismo estará prejudicado.

Congelamento proposto por Bolsonaro ainda terá que ser aprovado no Congresso Nacional. 

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...