Bolsonaro veta reajuste a servidores, mas antes editou MP's para favorecer policiais

28/05/2020

Congelamento vai até dezembro de 2021 e atinge funcionalismo da União, estados e municípios. Parte da base bolsonarista foi poupada.

COMPARTILHE!

Publicidade

Presidente usa tese de que servidores são culpados pela crise, inclusive a de coronavírus. Foto: Marcello Casal JrAgência Brasil.
Presidente usa tese de que servidores são culpados pela crise, inclusive a de coronavírus. Foto: Marcello Casal JrAgência Brasil.

Economia | O presidente Jair Bolsonaro sancionou ontem 27) o pacote de ajuda a estados e municípios por conta da pandemia de coronavírus. Na mesma medida, vetou reajustes para servidores da União, estados e municípios até dezembro de 2021. A decisão foi publicada no Diário Oficial desta quinta (28).

Antes de congelar os salários de milhões de funcionários públicos, o capitão editou duas medidas provisórias para livrar do arrocho parte da base bolsonarista. Uma favorece policiais civis e militares de Brasília e tem custo de meio bilhão de reais para a União. Outra, favorece a Polícia Federal. Informações estão em matéria de hoje (28) da Folha de S.PauloContinua, após o anúncio.

Justificativa cínica

Quando anunciou que iria congelar o salário dos servidores até dezembro de 2021, Bolsonaro disse que "é bom para o servidor." A Folha (21) destacou essa cínica justificativa. Disse o capitão:

"É bom para o servidor, porque o remédio é o menos amargo, mas é de extrema importância para todos os 210 milhões de habitantes."

Medida é tão "boa" para quase todos os servidores que Bolsonaro poupou parte de sua base desse "remédio menos amargo". Continua, após o anúncio.

Piso do magistério e outros reajustes prejudicados

Medida anunciada por Bolsonaro será mais um forte empecilho para o reajuste do piso nacional dos professores, inclusive o deste ano (12,84%), nos lugares onde ainda não foi cumprido.

"Prefeitos e governadores, com certeza, usarão projeto do governo federal como mais um argumento para querer negar os reajustes do magistério relativos a 2020 e 2021. Caberá aos sindicatos da categoria reagirem quanto a isso, pois o piso dos professores foi instituído por uma lei federal", disse o jurista Carlos N Freitas, consultado pelo Dever de Classe.

Freitas lembra também que no geral todo o funcionalismo estará prejudicado.

Congelamento proposto por Bolsonaro ainda terá que ser aprovado no Congresso Nacional. 

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...
Sobras de recursos devem ser pagas em forma de abono até o dia 31 deste mês. Devido ao aumento do percentual mínimo que deve ser gasto durante o ano com o magistério e ausência de reajuste salarial, estados, DF e municípios devem devolver dinheiro não utilizado aos educadores. Preencha os campos e veja o resultado em seguida.
Quem tem carga horária menor receberá menos, R$ 12.400. Benefícios desse tipo estão sendo anunciados e pagos em todo o Brasil e são obrigatórios, caso um prefeito ou governador não tenha gasto neste ano o percentual mínimo de 70% do Fundeb com a folha do magistério. Educadores de todas as localidades têm de cobrar do Conselho desse fundo e...
Prefeitos e governadores, principalmente os primeiros, anunciam ações radicalizadas neste mês de dezembro para tentar derrubar o reajuste de 31,3% previsto para o magistério. Em sentido contrário, isto é, em defesa desse aumento, categoria deve também partir para a ação.