Bolsonaro impõe volta às aulas presenciais nas federais e é repudiado pelos professores

03/12/2020 03:05

Em Nota Pública, Andes diz que educadores não aceitarão imposição de retorno por parte de um governo que menospreza a gravidade da pandemia de Covid-19.

COMPARTILHE!

Publicidade

Foto: Agência Brasil
Foto: Agência Brasil

Educação | Através da Portaria nº 1030/2020, do Ministério da Educação (MEC), o governo Bolsonaro impõe que todas as instituições federais de ensino — universidades e institutos — retornem às atividades presenciais a partir de 4 de janeiro de 2021. Regra atinge também as universidades privadas.

Em Nota Pública, a diretoria da Associação Nacional dos Docentes — ANDES-SN — repudia a medida e orienta a categoria a não aceitar "imposição de retorno por parte de um governo que menospreza a gravidade da pandemia" de Covid-19. Continua, após o anúncio.

A dura e necessária Nota de Repúdio do ANDES-SN à portaria criminosa do governo:

No dia 1º de dezembro, a comunidade acadêmica foi surpreendida pela publicação da Portaria nº 1030/2020, do Ministério da Educação. A referida norma estabelece, como regra, o retorno presencial das atividades nas instituições de ensino que fazem parte do sistema federal, ou seja, todas as instituições federais de ensino superior - Universidades e CEFET, deverão retornar no formato presencial a partir de 4 de janeiro de 2021.

A diretoria do ANDES-SN considera que a portaria reafirma a postura negacionista do governo federal, que durante todo o ano de 2020 trabalhou em favor do vírus e contra a saúde de todo(a)S o(a)s brasileiro(a)s. Um governo que nega a ciência e desarma todos os esforços para mitigar a disseminação do vírus em nossa sociedade. Continua, após o anúncio.

A portaria põe em risco a saúde dos e das docentes, estudantes e técnico(a)s. No momento em que os casos de Covid voltaram a crescer, que os índices de transmissão também sofreram aceleração e que o sistema público e privado de saúde voltaram a ficar saturados, reabrir de forma presencial instituições de ensino que congregam milhares de pessoas todos os dias não só é uma temeridade sanitária, como um ato criminoso.

Além disso, a portaria é um ataque à autonomia universitária, cujos órgãos dirigentes têm sido cautelosos e responsáveis durante todo o período da pandemia.

Segurança para retorno presencial somente com a vacinação em massa de nossa população. Continua, após o anúncio.

Defendemos a vida. Defendemos a ciência. Não aceitaremos imposição de retorno por parte de um governo que menospreza a gravidade da pandemia.

Conclamamos os Conselhos universitários repudiar a portaria e planejarem as atividades acadêmicas do próximo semestre obedecendo as recomendações da ciência e orientados no objetivo de manter a comunidade acadêmica em total segurança.

Brasília(DF), 2 de dezembro de 2020

Diretoria Nacional do ANDES-SN

Fonte: portal do ANDES-SN

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...