Professora dá um conselho a pediatras favoráveis a que crianças voltem às escolas em plena pandemia

13/01/2021

Docente se refere a uma manifestação nacional que ocorrerá dia 16 próximo, sábado, para pressionar pelo retorno às aulas presenciais em todo o Brasil. Segundo a mídia nacional, movimento tem apoio de médicos pediatras.

Publicidade

Imagem ilustrativa: aplicativo Canva.
Imagem ilustrativa: aplicativo Canva.

Educação | Uma professora de João Pessoa-PB enviou um e-mail hoje (13) para o Dever de Classe onde critica a manifestação em caráter nacional que ocorrerá dia 16 próximo, sábado, pelo retorno das aulas presenciais em todo o Brasil. Leia AQUI. 

Alguns médicos pediatras apoiam esse movimento e avaliam que as crianças já podem retornar às escolas. A cidade dessa educadora é uma das 27 que já confirmaram carreata para o dia do movimento. Após o anúncio, veja o conselho da professora aos 'doutores'.

O conselho da professora:

"Em primeiro lugar, deixo claro que tenho o maior apreço pelos médicos e por todos os profissionais da saúde. O que seria de nós se não fossem eles, principalmente nessa pandemia. Mas nesse caso do retorno às aulas agora, acho que esses pediatras estão equivocados. No entanto, se avaliam que as crianças já podem voltar às escolas, é só irem lá eles mesmos dar aula pra elas. Eu é que não vou sem vacina." Ana C Costa.

Curta abaixo nossa página no Facebook e receba em breve mais detalhes sobre este tema.

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Doar com PagSeguro

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes sobre educação...

Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
No caso dos professores, o que vale é o que está na lei dos planos de cargos, salários e carreiras de estados, DF e municípios. Se a legislação diz que o descanso anual é de 45 dias ou até dois meses, o terço constitucional deve ser pago com base nesse tempo de férias. É o que podemos chamar de direito...