Volta às aulas na pandemia intensificará Síndrome de Burnout nos professores, diz especialista

05/01/2021

A tensão e o estresse naturais da sala de aula serão agravados pelo medo da Covid-19. Por isso, maioria dos docentes só quer voltar às escolas após liberação de vacina para todos.

Publicidade

Imagem ilustrativa: aplicativo Canva.
Imagem ilustrativa: aplicativo Canva.

Educação | A psicopedagoga mineira Clara V Martins conversou com o Dever de Classe através do Messenger e disse que a volta às aulas presenciais anunciadas nos estados ainda na pandemia intensificará Síndrome de Burnout nos professores, em particular das redes públicas de estados e municípios. Ela explica que a tendência é o estado de tensão e o estresse naturais da sala de aula crescerem nos docentes por conta do medo de se contaminarem com o coronavírus. "É um problema a mais de saúde para o magistério", diz. Veja, após o anúncio.

O que diz a psicopedagoga:

A chamada Síndrome de Burnout é, segundo autoridades médicas, "um distúrbio psíquico caracterizado pelo estado de tensão emocional e estresse provocados por condições de trabalho desgastantes. Essa síndrome se manifesta especialmente em pessoas cuja profissão exige envolvimento interpessoal direto e intenso, como os professores."

"Ora, quem conhece uma sala de aula e o dia a dia de uma escola, em particular pública de estados e municípios, sabe o quanto é tensa e estressante a vida dos docentes. Salários baixos, jornadas excessivas, salas numerosas, condições de trabalho no geral ruins, indisciplina dos alunos, falta de reconhecimento do trabalho desenvolvido, enfim, tudo isto já é um coquetel mortífero para os educadores. Agora imagine acrescentar a essa fórmula o medo da Covid-19 e o perigo real de contrair a doença... Quem suportará? Por isso, sem meias palavras, aconselho: professor(a), só volte à sala de aula vacinado(a). Ponto final." Continua, após o anúncio.

Veja o quadro geral da previsão de volta às aulas no Brasil

Previsão de retomada presencial em janeiro: Piauí e Goiás.

Previsão de retomada presencial em fevereiro: Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Ceará e Pernambuco.

Previsão de retomada presencial em março: Acre, Alagoas e Sergipe. Continua, após o anúncio.

Previsão de retomada em 2021, mas sem data definida: Amapá e Pará.

Previsão de data para a retomada, mas sem definição sobre o formato: Espírito Santo, Distrito Federal, Maranhão, Rio de Janeiro e Paraíba,

Sem previsão de retomada presencial: Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Bahia, Tocantins, Rondônia, Amazonas e Roraima.

Com informações de: UOL Notícias, a partir de informações das secretarias estaduais de educação.

Curta abaixo nossa página no Facebook e receba em breve mais detalhes sobre este tema.

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Doar com PagSeguro

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...
Sobras de recursos devem ser pagas em forma de abono até o dia 31 deste mês. Devido ao aumento do percentual mínimo que deve ser gasto durante o ano com o magistério e ausência de reajuste salarial, estados, DF e municípios devem devolver dinheiro não utilizado aos educadores. Preencha os campos e veja o resultado em seguida.
Quem tem carga horária menor receberá menos, R$ 12.400. Benefícios desse tipo estão sendo anunciados e pagos em todo o Brasil e são obrigatórios, caso um prefeito ou governador não tenha gasto neste ano o percentual mínimo de 70% do Fundeb com a folha do magistério. Educadores de todas as localidades têm de cobrar do Conselho desse fundo e...
Prefeitos e governadores, principalmente os primeiros, anunciam ações radicalizadas neste mês de dezembro para tentar derrubar o reajuste de 31,3% previsto para o magistério. Em sentido contrário, isto é, em defesa desse aumento, categoria deve também partir para a ação.