Volta às aulas ainda na pandemia poderá levar à maior Greve Geral de professores de todo o Brasil

23/07/2020

É quase unanimidade entre os docentes das redes pública e privada que retorno às escolas só poderá ocorrer quando tiver uma vacina para a Covid-19.

COMPARTILHE!

Publicidade

Imagem: aplicativo Canva.
Imagem: aplicativo Canva.

Educação | É quase unanimidade entre professores das redes pública e privada de todo o País que retorno às aulas presenciais só poderá ocorrer quando tiver uma vacina para a Covid-19. Os educadores não estão dispostos a se contaminar e morrer, e ameaçam fazer a maior Greve Geral do Brasil caso volta às escolas seja decretada, como defendem o presidente Bolsonaro e muitos prefeitos e governadores. "Nenhum presidente, prefeito, governador ou dono de estabelecimento particular têm condições de garantir segurança a nós e aos alunos", diz a docente Algeíza Siqueira, de Teresina. Continua, após o anúncio.

A opinião dos professores

Colhemos relatos de vários professores através do Messenger. Ampla maioria é a favor de só voltar às aulas com a vacina, e de Greve Geral, caso seja determinado o retorno. Veja alguns depoimentos e também dê sua opinião nas duas enquetes ao final da matéria:

"Sem vacina eu não volto e nem mando meus filhos pra escola nenhuma. Não estou louca para me arriscar. Se mandarem voltar, entre de greve." (Suzana Silva, Recife).

"É um absurdo falar em voltar às escolas em plena pandemia. Temos que esperar a vacina chegar." (Paulo Cordeiro, Curitiba). Continua, após o anúncio.

"É preciso ter cautela numa hora dessas. Sem vacina, corremos risco até de morrer junto com os alunos. Faço greve se insistirem." (Ana Célia, Belo Horizonte).

"Acho que há um pouco de exagero em relação a essa pandemia. Mesmo sem vacina, dá pra voltar aos colégios, basta usar os equipamentos de segurança." (Júlio Falcão, Fortaleza).

Nas enquetes abaixo, criadas pelo Dever de Classe, ampla maioria, como se observa abaixo, é contra voltar agora às escolas. Vote após o anúncio e dê também sua opinião.

Enquete 1

Enquete 2

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
Objetivo é garantir ganho real para a categoria logo a partir de janeiro. Documento com outras importantes pautas dessa área foi entregue ao setor de educação da equipe de transição do futuro governo Lula.