Bolsonaro dá visíveis sinais de perturbação e desgosto ao anunciar vacina contra Covid-19

18/01/2021

Psicóloga diz que logo no início do vídeo ele comete um ato falho e usa um termo adversativo ao se referir à vacina. O resto da fala é todo de uma pessoa que está profundamente incomodada com o que está noticiando.

Publicidade

Bolsonaro, um psicopata e genocida na presidência. Foto/Reprodução.
Bolsonaro, um psicopata e genocida na presidência. Foto/Reprodução.

Política | Ao noticiar que perdeu no debate contra a vacina e que agora o governo federal terá que bancar a imunização de todos os brasileiros, o presidente Jair Bolsonaro deu visíveis sinais de desgosto e perturbação. O sorriso sarcástico e largo com o qual costuma conversar com seus fãs todo dia na porta do Alvorada, dessa vez não apareceu. 

A psicóloga baiana Lúcia S Furtado, consultada pelo Dever de Classe, disse que logo no início da fala ele comete um ato falho e usa um termo adversativo ao se referir à vacina. Após o anúncio, veja o vídeo e um diagnóstico mais detalhado da contrariedade do capitão genocida.

Veja o vídeo e depois o breve diagnóstico feito pela psicóloga.

O que diz a psicóloga:

Observe que logo no início da fala ele comete um ato falho e usa a expressão adversativa "apesar de" ao se referir à vacina. Essa é a prova maior do seu desgosto com o fato que foi obrigado a noticiar. Depois, tenta corrigir, mas segue durante todo o resto do discurso de forma negativa e com uma raiva clara, mas que tenta, sem sucesso, disfarçar. Suas feições indicam que dormiu muito mal ou que passou toda a noite insone. Um perturbado, esse presidente genocida.

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
Objetivo é garantir ganho real para a categoria logo a partir de janeiro. Documento com outras importantes pautas dessa área foi entregue ao setor de educação da equipe de transição do futuro governo Lula.