Trump se supera em loucura e propõe injeção de desinfetante contra coronavírus

23/04/2020

Saúde / Sugestão vai de encontro a toda e qualquer orientação da medicina, além de ser um perigo para a saúde pública. Que ninguém estranhe se Bolsonaro passar a defender a mesma coisa por aqui.

COMPARTILHE!

Publicidade

Foto ilustrativa: aplicativo Canva.
Foto ilustrativa: aplicativo Canva.

Era só o que faltava. O presidente dos EUA Donald Trump se superou em loucura e sugeriu ontem (23) injeção de desinfetante para combater o coronavírus. Medida vai de encontro a toda e qualquer orientação da medicina e é um perigo para a saúde pública, segundo reações de autoridades médicas norte-americanas. Informe sobre isto foi registrado pelo jornal Folha de S.Paulo (23). Após o anúncio, veja a "justificativa" do presidente.

A "justificativa" do presidente

Também segundo a Folha, Trump deu a seguinte "justificativa" para sua proposta:

"E aí eu vejo o desinfetante, que derruba [o coronavírus] em um minuto. Um minuto! E tem um jeito de a gente fazer algo, uma injeção dentro ou quase uma limpeza? Porque, veja bem, ele entra nos pulmões e faz um trabalho tremendo nos pulmões, então seria interessante checar isso. Então, será preciso ver com os médicos, mas soa interessante para mim", afirmou Trump em entrevista coletiva na Casa Branca. Continua, após o anúncio.

Mais receita

Trump também apresentou receita de radiação ultravioleta para combater a pandemia:

"Talvez seja possível, talvez não seja. Eu não sou médico. Mas eu sou, tipo, uma pessoa que tem um bom você sabe o quê."

Proposta foi também rechaçada por autoridades médicas

Não é de se estranhar se Bolsonaro e seus fanáticos seguidores começarem a receitar as mesmas coisas aqui no Brasil.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
Objetivo é garantir ganho real para a categoria logo a partir de janeiro. Documento com outras importantes pautas dessa área foi entregue ao setor de educação da equipe de transição do futuro governo Lula.