Saiba por que a classe média alta quer reabertura do comércio mas não quer que seus filhinhos voltem agora às aulas

21/04/2020

Educação / Quem já viu depoimentos ou carrões nas ruas defendendo retorno imediato das aulas nas escolas dos ricos?

COMPARTILHE!

Publicidade

Classe média só quer mandar seus filhos para as escolas quando houver total segurança. Imagem: aplicativo Canva.
Classe média só quer mandar seus filhos para as escolas quando houver total segurança. Imagem: aplicativo Canva.

Incentivados pelo presidente Jair Bolsonaro, a classe média alta e setores da classe média têm saído com seus carrões pelas ruas defendendo a reabertura imediata do comércio, em particular das próprias lojas que possuem. Também usam as redes sociais para pregar a mesma coisa. Alegam que não há perigo de contaminação pelo coronavírus e dizem "defender a economia e o emprego dos mais pobres."

Esse mesmo estrato da sociedade, no entanto, não defende reabertura imediata das escolas particulares onde seus filhinhos e parentes estudam, embora tais estabelecimentos sejam um comércio que visa lucro como outro qualquer e tenham também trabalhadores que precisam manter seus empregos. Por quê não defendem? Veja, após o anúncio.

Leia também:

  1. Biólogo alerta sobre perigo de voltar às aulas antes do segundo semestre
  2. Bolsonaro manda professores e alunos para o corredor da morte, diz biólogo
  3. Ministro de Bolsonaro promete dinheiro a universidades que abrirem as portas para a Covid-19

Hipocrisia e esperteza

A classe média alta e seus satélites não defendem retorno imediato das aulas nas escolas onde seus filhinhos e parentes estudam porque sabem que o perigo de contaminação pelo coronavírus é real e muito grande. É claro que não querem arriscar perder seus entes queridos. Continua, após o anúncio.

Assim, ao defenderem reabertura das próprias lojas, os ricos e metidos a ricos querem apenas garantir o próprio lucro, pois sabem que não se arriscarão em ônibus e metrôs lotados ou amontoados dentro do comércio como os trabalhadores que dizem defender.

É tudo, portanto, uma questão de hipocrisia e esperteza.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...
Sobras de recursos devem ser pagas em forma de abono até o dia 31 deste mês. Devido ao aumento do percentual mínimo que deve ser gasto durante o ano com o magistério e ausência de reajuste salarial, estados, DF e municípios devem devolver dinheiro não utilizado aos educadores. Preencha os campos e veja o resultado em seguida.
Quem tem carga horária menor receberá menos, R$ 12.400. Benefícios desse tipo estão sendo anunciados e pagos em todo o Brasil e são obrigatórios, caso um prefeito ou governador não tenha gasto neste ano o percentual mínimo de 70% do Fundeb com a folha do magistério. Educadores de todas as localidades têm de cobrar do Conselho desse fundo e...
Prefeitos e governadores, principalmente os primeiros, anunciam ações radicalizadas neste mês de dezembro para tentar derrubar o reajuste de 31,3% previsto para o magistério. Em sentido contrário, isto é, em defesa desse aumento, categoria deve também partir para a ação.