"Pelo ritmo de vacinação, é provável que aulas presenciais só voltem mesmo em 2022", diz matemático

01/02/2021 15:54

Docentes não são prioridade na vacinação. E, enquanto são necessárias pelo menos 311 milhões de doses para todo o Brasil, só aplicamos até agora 2 milhões do imunizante. E já estamos em fevereiro. Que ninguém se espante se reabertura das escolas se dê só no próximo ano.

Publicidade

Ou apressa a vacina ou não tem aula presencial em 2021, pois professores não vão querer se expor à Covid. Imagem: aplicativo Canva.
Ou apressa a vacina ou não tem aula presencial em 2021, pois professores não vão querer se expor à Covid. Imagem: aplicativo Canva.

Saúde | A vacinação contra a Covid-19 no Brasil continua muito lenta. Segundo a coluna de hoje (1) de Lauro JardimO Globo"o país aplicou até agora só 2 milhões de doses do imunizante e está na oitava posição, atrás dos EUA (31,1 milhões), China (22,7 milhões), Reino Unido (9,4 milhões), Israel (4,7 milhões), Índia (3,7 milhões), Emirados Árabes (3,3 milhões) e Alemanha (2,3 milhões)."

Como os professores não estão sequer nos grupos prioritários da imunização, e são necessárias pelo menos 311 milhões de doses, o matemático gaúcho Sérgio P Nogueira, consultado pelo Dever de Classe, diz que nesse ritmo é bastante provável que aulas presenciais no Brasil voltem mesmo só em 2022. Veja, após o anúncio.

Por o senhor acha que aulas presenciais podem ser adiadas até 2022?

Não sou eu quem digo. É o ritmo da vacinação do governo que está mostrando. Para dar segurança sanitária a todo o Brasil e aplicar as duas doses necessárias em pelo menos 60 ou 70 por cento do povo, são necessárias pelo menos 311 milhões de doses. Já estamos em fevereiro e até agora só aplicamos 2 milhões de doses do imunizante, segundo a mídia tem noticiado. É só projetar e fazer as contas, levando em consideração que os professores não são sequer prioridade na vacinação.

E o que pode ser feito para mudar esse quadro tão difícil? (Ver resposta após o anúncio).

Pressionar o Ministério da Saúde e o presidente Jair Bolsonaro para deixarem de enrolação e comprar a quantidade de doses necessárias com mais celeridade. E tem de incluir os professores no início da fila. Do contrário, a maioria deles não irá às escolas. Não tem outra saída. Ou se faz isso ou aulas presenciais mesmo só em 2022. É o que se desenha. Não sou eu quem digo.

O infográfico abaixo mostra um quadro geral da vacinação, inclusive com os grupos localizados como prioritários pelo Plano Nacional de Imunização do Ministério da Saúde.

*O Brasil e a vacina contra a Covid-19

População: 211,8 milhões - IBGE 2020. Cada pessoa deve tomar duas doses, num prazo de 21 dias. 

Para imunizar 100% da população, são necessárias 445 milhões de doses, já com previsão de perda de 5% na logística do armazenamento e transporte.

Mas há quem diga que as condições sanitárias seguras viriam com imunização de 60 a 70 por cento do povo.

Com estes percentuais, a necessidade de doses cairia de 445 milhões para 311 milhões. Continua, após o anúncio.

O ilusório e fantasma Plano Nacional de Imunização do Ministério da Saúde prevê a vacinação de — apenas — 49,7 milhões de pessoas, divididos em 03 Grupos, necessitando de 104,3 milhões de doses.

No primeiro grupo estão: trabalhadores de Saúde; pessoas de 75 anos ou mais; pessoas de 60 anos ou mais institucionalizadas; população indígena aldeado em terras demarcadas, povos e comunidades tradicionais ribeirinhas.

O segundo e terceiro grupos são formados por: pessoas de 60 a 74 anos e os portadores de Morbidades: Diabetes mellitus; hipertensão arterial grave; doença pulmonar obstrutiva crônica; doença renal; doenças cardiovasculares e cerebrovasculares; indivíduos transplantados de órgão sólido; anemia falciforme; câncer; obesidade grave (IMC≥40).  

O Brasil — até agora — possui somente as 06 milhões de doses articuladas pelo Governo de São Paulo e dois milhões viabilizados pelo governo federal. Quem não é de grupos prioritários, portanto, deve manter estoque de máscaras, álcool em gel e isolamento social. O contágio continua alto e, se depender do capitão, a fila não vai andar. É só bomba em cima da maioria do povo.

*Com dados de José Professor Pachêco, docente e advogado.

COMPARTILHE

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes sobre educação...