Senado aprova piso salarial para enfermagem e CNM fala em colapso nos municípios

25/11/2021

Presidente dessa entidade adota o mesmo comportamento doentio que tem em relação ao piso dos professores. Das enormes regalias de prefeitos e assessores, contudo, ninguém ouve Paulo Ziulkoski dar sequer um pio.

Publicidade

Embora com valores ainda baixos, criação do Piso Nacional da Enfermagem é importante para que se comece a pagar melhor quem tem feito muito pelo Brasil, sobretudo em tempos de pandemia. Imagem: aplicativo Canva.
Embora com valores ainda baixos, criação do Piso Nacional da Enfermagem é importante para que se comece a pagar melhor quem tem feito muito pelo Brasil, sobretudo em tempos de pandemia. Imagem: aplicativo Canva.

Saúde | Segundo o portal de notícias do Senado, essa casa legislativa aprovou na quarta-feira (24) projeto que institui o piso de R$ 4.750 para os enfermeiros do Brasil. A proposta (PL 2.564/2020) indica ainda um piso mínimo de R$ 3.325 para os técnicos de enfermagem e de R$ 2.375 para os auxiliares de enfermagem e para as parteiras. A proposta segue agora para a análise da Câmara dos Deputados.

"Colapso"

Aprovação desse projeto no Senado gerou revolta na Confederação Nacional de Municípios (CNM). Em Nota Pública em seu Portal (24), Paulo Ziulkoski — presidente da entidade — fala em "colapso imediato" nos municípios. Veja, após o anúncio.

Chororô

Trechos da Nota Pública assinada por Paulo Ziulkoski, presidente da CNM:

"O projeto leva a já frágil situação fiscal dos Municípios ao colapso imediato."

"A entidade alerta que o piso salarial nacional do enfermeiro, do técnico de enfermagem, do auxiliar de enfermagem e da parteira trará um impacto direto imediato às gestões Municipais de R$ 20 bilhões ao ano."

Doentio

É o mesmo comportamento doentio que tem em relação ao piso dos professores. Das enormes regalias de prefeitos e assessores, contudo, ninguém ouve Paulo Ziulkoski dar sequer um pio. 

Compartilhe e curta abaixo nossa página no Twitter e Facebook, para receber atualizações sobre este tema. Aproveite para deixar também uma pequena doação ao nosso site.

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

PIX - Celular 86988453625 João R P Landim Nt

Mais recentes sobre economia

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.