Jurista diz que Pec de Bolsonaro é uma bomba para o servidor, principalmente o do magistério!

29/01/2020

Economia / Projeto será votado em fevereiro e já teve voto favorável do relator, senador Oriovisto Guimarães. Caso seja aprovado, União, estados e municípios terão uma arma letal para usar contra o funcionalismo público de todo o País.

COMPARTILHE!

Publicidade

Imagem: aplicativo Canva.
Imagem: aplicativo Canva.

O presidente Bolsonaro enviou ao Congresso em 2019 a PEC 186/2019, chamada de "PEC Emergencial". Proposta, que já teve voto favorável do relator, senador Oriovisto Guimarães (Podemos-PR), será votada em fevereiro no Senado.

Bomba

Após o anúncio, o jurista Ricardo S. Silva, consultado pelo DEVER DE CLASSE, explica como esse projeto, se aprovado, cairá como uma bomba na cabeça dos servidores da União, estados e municípios, em particular dos professores.

Dr. Ricardo, por que a Pec Emergencial é ruim para o funcionalismo?

Ruim, não! É uma bomba. No artigo 169 dessa Pec há autorização para que a União, estados e municípios reduzam em até 25% o salário e a jornada de trabalho do servidor que ganhe acima de três salários mínimos, o que corresponde a exatos R$ 3.135,00. Isto pega, por exemplo,  todos os professores das universidades federais e dos institutos federais e quase a maioria dos docentes que trabalham em regime de 40 horas nos estados e municípios. Uma calamidade.

Que outros prejuízos os professores poderiam ter?

Vamos pegar um exemplo concreto. O piso do magistério foi reajustado este ano em 12,84%. Prefeitos e governadores estão inventando todo tipo de desculpas para não pagar. Se a Pec já estivesse valendo, gestores poderiam conceder esse reajuste e, em seguida, alardear de forma manipulatória na grande mídia que o limite de gastos imposto pela Pec foi estourado. Com isso, se quisessem, estariam autorizados legalmente a cortar 25% dos salários dos professores. Resultado: 12,84% de aumento + 25% de corte = a 12,16% a menos para os docentes. E quem duvida que não poderão querer fazer isso? Continua, após o anúncio.

A aplicação é automática?

Não. Mas é uma arma letal para o presidente da república, prefeitos e governadores chantagearem seus funcionários. Quem terá coragem de pedir aumento de salário sabendo que o gestor está autorizado pela Constituição Federal a reduzir o valor que o funcionário já ganha?

E em que situações os governos poderão aplicar a medida, caso seja aprovada?

A aplicação poderá ser feita quando os gestores provarem que estão em crise e chegaram a um limite de gastos previsto na Pec. O problema é que os governos manipulam dados, com a ajuda da grande mídia, e com certeza irão dizer que os cofres estouraram para aplicar o projeto. Basta ver a reforma da Previdência, onde o governo Bolsonaro pagou artistas e apresentadores de TV para mentir para a população. Foi divulgado aí que só o Ratinho recebeu quase um milhão de reais.

O que pode ser feito para evitar o projeto?

Só a mobilização do funcionalismo pode barrar a medida. Como se trata de emenda à constituição, se aprovada, servidores públicos terão muitas dores de cabeça.

COMPARTILHE!

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Deixe de aterrorizar os brasileiros com suas ameaças. Aceite que a maioria do povo não o quer mais. Vá rezar, se benzer, tomar um banho de sal grosso no lombo. Peça perdão por seus crimes cometidos na presidência. O Brasil quer é Lula de novo", diz um dos trechos enviado pela docente.
Jair Bolsonaro sabe que as urnas são seguras e que as pesquisas refletem vitória de Lula no primeiro turno, tal também como acertaram em relação ao próprio atual presidente em 2018. Por isso, só resta ao capitão berrar, para tentar tumultuar o dia do pleito e ganhar no grito. Coisa de baderneiro desesperado", diz o cientista político, que faz...