OMS quer restringir bebida alcoólica durante quarentena; medida provoca reações

15/04/2020

Saúde / A ordem é para que governos endureçam e inibam ao máximo a ingestão de qualquer bebida que contenha álcool.

COMPARTILHE!

Publicidade

Foto: arquivos Webnode.
Foto: arquivos Webnode.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) quer que governos endureçam contra o uso de bebidas alcoólicas durante a quarentena. A alegação principal é que o álcool ajuda a baixar a imunidade, algo ruim nestes tempos de coronavírus. Apesar de sensata, medida está longe de ser consenso, conforme veremos após o anúncio.

Divergências

A restrição ao uso do álcool durante a quarentena provoca polêmicas e não há consenso em relação ao que propõe a OMS. Colhemos alguns comentários sobre o tema nas redes sociais.

Para a dona de casa carioca Maria Celestina, a medida é mais que acertada e urgente: "Sou totalmente a favor. O álcool, além de acabar com a saúde das pessoas, traz muitos outros problemas para dentro de casa. Sou vítima disso por causa do meu marido", opina. Continua, após o anúncio.

O professor paulista Fábio Monteiro pensa diferente de dona Celestina. Para ele, a restrição é um claro sinal de autoritarismo e intrometimento na vida particular de cada um. Ele diz: "Sou contra essa medida. Uma coisa é a quarentena, tudo bem, está correta. Outra coisa é querer fiscalizar o que as pessoas comem ou bebem dentro de casa. Querem transformar nossas vidas num Big Brother?"

Equilíbrio

O fato concreto é que com bebida ou alcoólica ou não, o vírus está aí e todos devem se cuidar. E ficar de quarentena é o caminho mais seguro. É preciso também manter o equilíbrio, pois os tempos são muito difíceis.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Deixe de aterrorizar os brasileiros com suas ameaças. Aceite que a maioria do povo não o quer mais. Vá rezar, se benzer, tomar um banho de sal grosso no lombo. Peça perdão por seus crimes cometidos na presidência. O Brasil quer é Lula de novo", diz um dos trechos enviado pela docente.
Jair Bolsonaro sabe que as urnas são seguras e que as pesquisas refletem vitória de Lula no primeiro turno, tal também como acertaram em relação ao próprio atual presidente em 2018. Por isso, só resta ao capitão berrar, para tentar tumultuar o dia do pleito e ganhar no grito. Coisa de baderneiro desesperado", diz o cientista político, que faz...