Novo piso unifica e fortalece luta salarial na educação

03/12/2021
Reajuste pelo mesmo crescimento do custo aluno para professores e corpo técnico-administrativo trará enorme gás às futuras mobilizações dessa parte do funcionalismo brasileiro. Imagem: Agência Brasil.
Reajuste pelo mesmo crescimento do custo aluno para professores e corpo técnico-administrativo trará enorme gás às futuras mobilizações dessa parte do funcionalismo brasileiro. Imagem: Agência Brasil.

Landim Neto, editor do site 

+ artigos deste autor

Educação | A criação de um piso nacional para o pessoal técnico-administrativo da educação básica pública (PL 2531/2021) unifica e fortalece a luta salarial neste setor.

Pelo que está no voto da deputada Professora Marcivania (PCdoB-AP) — relatora do projeto —, reajuste anual do novo dispositivo será no mês de janeiro e pelo crescimento do custo aluno, tal como é para o piso nacional do magistério. Continua, após o anúncio.

Na prática, isto significa que professores e corpo técnico-administrativo poderão estar juntos em futuras mobilizações pelo cumprimento desses direitos, vez que o índice de correção para ambos será o mesmo.

Isto servirá para acabar ou diminuir bastante algumas divisões que existem dentro das escolas. 

Em greves para reajuste do piso do magistério, por exemplo, corpo técnico-administrativo costuma não se envolver. Com razão, servidores dizem que a pauta não é deles. 

Com a unificação proposta no referido PL, tal entrave às lutas na educação poderá deixar de existir.
É preciso, pois, lutar para que esse novo piso seja aprovado. Todos ganharão.



Compartilhe e curta abaixo nossa página no Twitter e Facebook, para receber atualizações sobre este tema. Aproveite para deixar uma pequena doação ao nosso site.

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

PIX - Celular 86988453625 João R P Landim Nt

Siga-nos!

Mais recentes sobre educação

No caso dos professores, o que vale é o que está na lei dos planos de cargos, salários e carreiras de estados, DF e municípios. Se a legislação diz que o descanso anual é de 45 dias ou até dois meses, o terço constitucional deve ser pago com base nesse tempo de férias. É o que podemos chamar de direito...