Agitação de prefeitos contra reajuste do magistério já tem mais de 400 inscritos

03/12/2021

Mobilização radicalizada tem a batuta da Confederação Nacional de Municípios (CNM) e ocorrerá dias 14 e 15 deste mês em Brasília. Prioridade dos gestores é mudar a qualquer custo o cálculo do piso nacional dos profissionais da educação. Categoria precisa também se mobilizar. 

Prefeitos podem invadir o Salão Verde da Câmara dos Deputados, como já fizeram em outras oportunidades. No destaque na foto, Paulo Ziulkoski, presidente da CNM e comandante da agitação. Foto: Laycer Tomaz / Câmara dos Deputados.
Prefeitos podem invadir o Salão Verde da Câmara dos Deputados, como já fizeram em outras oportunidades. No destaque na foto, Paulo Ziulkoski, presidente da CNM e comandante da agitação. Foto: Laycer Tomaz / Câmara dos Deputados.

Educação | Liderados pela Confederação Nacional de Municípios (CNM), prefeitos de todo o País se preparam para ir agitar em Brasília nos dias 14 e 15 deste mês. Dentre outras pautas que consideram prioritárias, querem derrubar o reajuste de 31,3% previsto para o magistério em 2022. 

Mais de 400 inscritos

Segundo matéria no portal da CNM (1), Paulo Ziulkoski — comandante da agitação — informa que mobilização já tem mais de 400 inscritos:

"Temos mais de 400 inscritos até agora, mas é preciso que todos estejam em Brasília. O momento é esse para aprovar pautas importantes e evitar outras que trazem prejuízos. Se não nos mobilizarmos agora, que é período que antecede a eleição, depois fica muito difícil", diz o radical agitador. 

Continua, após o anúncio.

Mudar cálculo do reajuste do piso, para eliminar ganho real de salário, é a segunda prioridade da pauta da CNM na Câmara dos Deputados. Foto/reprodução.
Mudar cálculo do reajuste do piso, para eliminar ganho real de salário, é a segunda prioridade da pauta da CNM na Câmara dos Deputados. Foto/reprodução.

Invasão do Salão Verde

Para pressionar os parlamentares, e sob o firme comando do chefe da agitação, gestores podem até mesmo invadir o Salão Verde da Câmara, como já fizeram em outras oportunidades. A vontade radical de prejudicar os professores não tem limites. 

Objetivo

Objetivo da CNM e prefeitos em Brasília, em relação aos profissionais do magistério, é obrigar a qualquer custo os deputados a votar o Projeto de Lei 3776/08, algo que já vêm tentando há algum tempo, sem sucesso. Tal PL altera o cálculo de reajuste do piso da categoria. Em vez de correção pelo mesmo índice de crescimento do custo aluno, tal como está na Lei nº 11.738/2008, criada no governo Lula (PT), atualização se daria pelo INPC acumulado dos últimos doze meses, isto é, a inflação oficial do governo. Continua, após o anúncio.

Baixa

Caso os gestores obtenham êxito na pressão sobre os parlamentares, e o cálculo do piso seja alterado, reajuste de 31,3% previsto para janeiro de 2022 (crescimento do custo aluno) cai para cerca de 11%, que é a estimativa de inflação deste ano. Ou seja, é uma queda em torno de 20% no índice até agora previsto. Continua, após o anúncio.

Mobilização

Profissionais do magistério devem seguir o exemplo dos prefeitos e também devem se mobilizar para impedir o rebaixamento do reajuste da categoria. 

Neste sentido, a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) tem atuado fortemente para garantir que os direitos dos educadores sejam mantidos, em particular quanto a essa questão em tela. A entidade e seus sindicatos afiliados certamente estarão presentes também em Brasília.


Compartilhe e curta abaixo nossa página no Twitter e Facebook, para receber atualizações sobre este tema. E aproveite para deixar também uma contribuição para o nosso site.

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Chave para Pix

E-mail: pix@deverdeclasse.org - João R P Landim Nt

Siga-nos!

Mais recentes sobre educação...

Professora Dorinha é presidente da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados e diz que não há lacuna para que o percentual de 33,23% não seja cumprido urgentemente, tal como reza a lei 11.738/2008. O Dever de Classe entrou em contato com a assessoria da parlamentar e obteve mais informações sobre as ações que poderão ser feitas.
Educadora diz que "é uma tristeza ver uma professora usar o nome de Deus para defender um presidente satânico e que "se não houver paralisação nacional e luta não haverá aumento de salário nenhum".