Bolsonaro escolhe mais um ministro acusado de corrupção! Leia e compartilhe...

09/12/2018

O futuro ministro indicado pelo capitão tem o mesmo perfil de outros já escolhidos, isto é, também é acusado em vários casos de ilícitos

Palavras-chaveJustiçaPolíticaBolsonaro | O presidente eleito Jair Bolsonaro escolheu na tarde deste domingo (9) o seu 22º ministro, sete a mais do prometido na campanha. O indicado é Ricardo de Aquino Salles, que comandará o Ministério do Meio Ambiente. Tal como outros já escolhidos por Bolsonaro, Salles é também acusado de corrupção.

Leia também: Ministério ou fichário da Polícia Federal? Veja o que pesa contra os principais nomes indicados por Bolsonaro!


Violento e acusado de corrupção

Salles concorreu ao cargo de deputado federal este ano e perdeu.  Em sua campanha, expôs em rede social que tinha munição de fuzil para a esquerda e o MST. Ou seja, é um potencial criminoso, que ameaçou trabalhadores, mulheres, idosos e crianças.

Segundo matéria da Folha de S.Paulo (9), o futuro ministro e mais duas funcionárias da sua equipe foram alvos de uma ação de improbidade administrativa por suspeita de esconder alterações em mapas do zoneamento ambiental do rio Tietê, na Grande São Paulo. Fato se deu quando Salles ocupou a Secretaria de Meio Ambiente do governo paulista na gestão de Geraldo Alckmin (PSDB). Ver mais denúncias, após o anúncio.

De acordo com o Brasil 247, "ele também é investigado por ter dado andamento a uma proposta de negociação do imóvel da sede do Instituto Geológico, na capital paulista e, em outro inquérito, é investigado por ter realizado chamamento público, sem autorização legislativa, para a concessão ou venda de 34 áreas do Instituto Florestal.

Leia também:

Jair Bolsonaro sabe que as urnas são seguras e que as pesquisas refletem vitória de Lula no primeiro turno, tal também como acertaram em relação ao próprio atual presidente em 2018. Por isso, só resta ao capitão berrar, para tentar tumultuar o dia do pleito e ganhar no grito. Coisa de baderneiro desesperado", diz o cientista político, que faz...