Eleição de 2022: "Lula já está com a mão na taça", diz investidor

18/09/2021

Lawrence Pih não vê viabilidade na chamada "terceira via".

Publicidade

Tudo caminha para uma nova eleição de Lula. E pode ser já no primeiro turno. Foto: Instituto Lula.
Tudo caminha para uma nova eleição de Lula. E pode ser já no primeiro turno. Foto: Instituto Lula.

Política | Segundo a coluna Painel S.A — da Folha de S.Paulo (18) —, o investidor Lawrence Pih disse que a terceira via tem candidatos demais e que dificilmente chegarão a um acordo, o que deixa Lula com a mão na taça das eleições de 2022. Pih, informa também a coluna, foi um dos primeiros empresários a apoiar o PT na década de 1980.

A Folha diz ainda que o investidor  não consegue imaginar nada pior do que o governo Bolsonaro, e o ministro Paulo Guedes ainda não mostrou a que veio. "O risco político está consolidado na personalidade intrínseca do presidente, não na persona do paz e amor da carta de Michel Temer", diz Pih. Continua, após o anúncio.

Pesquisa comprova o que diz o investidor

Pesquisa do Datafolha divulgada na sexta-feira (17) comprova o que diz o investidor Lawrence Pih. Consulta mostra Lula (PT) disparado nas intenções de voto para 2022. No primeiro turno, o petista chega a 44%, índice que o aproxima de vitória já no primeiro turno. E no segundo turno, o ex-presidente chega a 56%, contra 31% de Jair Bolsonaro, seu principal adversário políticos. 

O Datafolha mostra também que Ciro Gomes (PDT), João Doria (PSDB) continuam na lanterna da disputa. Sem chances para a chamada "terceira via. É luta no primeiro turno.

Compartilhe e curta abaixo nossa página no Twitter e Facebook, para receber atualizações sobre este tema.

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

PIX - Celular 86988453625 João R P Landim Nt

Siga-nos!

Mais recentes sobre política...

Paulistas não podem permitir que um aventureiro — inclusive com suspeitas de que é acompanhado por milicianos — governe o estado mais importante do País.