Relator da Reforma Administrativa diz que estabilidade será mantida para atuais e futuros servidores

01/09/2021

Deputado Arthur Maia (DEM-BA) explicou que direito está garantido, de forma que nenhum servidor público atual ou futuro poderá ser demitido de maneira imotivada. Proposta deve ser votada entre os dias 14 e 15 de setembro na comissão especial da Câmara, e há uma contradição no que diz o relator.

Publicidade

Estabilidade é essencial para garantir a independência do servidor em relação aos governos de plantão. Direito inibe também perseguições políticas nos órgãos dos três poderes da União, Distrito Federal, estados e municípios. Imagem: aplicativo Canva.
Estabilidade é essencial para garantir a independência do servidor em relação aos governos de plantão. Direito inibe também perseguições políticas nos órgãos dos três poderes da União, Distrito Federal, estados e municípios. Imagem: aplicativo Canva.

Economia | Matéria da Agência Câmara de Notícias (31) diz que "o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), recebeu o relatório da proposta de emenda à Constituição da reforma administrativa (PEC 32/20)."

O relator da medida, "deputado Arthur Oliveira Maia (DEM-BA), explicou que a estabilidade está garantida, de forma que nenhum servidor público atual ou futuro poderá ser demitido de maneira imotivada. Segundo Maia, qualquer demissão estará submetida à avaliação de desempenho do servidor." Continua, após o anúncio.

Contradição

Retirar da reforma o dispositivo que acabava a estabilidade do funcionalismo é um avanço, sem dúvidas. Contudo, projeto continuar a permitir que o servidor possa ser demitido por conta de avaliação de desempenho é uma contradição, pois dá no mesmo.

Se o estágio probatório continuará a existir, e se já há meios legais para demissão de servidores que cometam faltas graves, para que criar outro mecanismo para demitir funcionários? Continua, após o anúncio.

O Dever de Classe fará em breve uma análise mais detalhada desse "novo" texto da reforma.

Compartilhe e curta abaixo nossa página no Facebook, para receber atualizações sobre este tema.

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes sobre economia

Montante é 12,32% a mais que o recebido no mesmo período de 2022. Levando-se em conta que o reajuste do magistério deste ano (14,95%) é 18,29% menor que o de 2022 (33,24%), nada justifica dizer que não há dinheiro para a correção salarial deste 2023.
Com o Fundeb, montante sobe para 5,8 bi, isto é, 1,2 bi a mais. Recurso é referente ao 3º decêndio do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) deste mês de janeiro, maior 23,65% em relação ao mês período de 2022. Dados mostram que é possível cumprir reajuste do magistério deste 2023.
Não é pouco dinheiro. Só de salário, em 2022 foram R$ 260.717.886. Em 2023, parlamentares já tiveram 16,37% de aumento neste mês de janeiro e terão mais 6,12% em abril, o que elevará a conta ainda mais. Isto sem falar nas incontáveis outras regalias que têm. Confira tabela.