Levantamento mostra que apenas PT, PSOL, PCdoB e Rede votaram 100% a favor do piso do magistério

30/08/2021

Na votação que resultaria no fim dos reajustes anuais do piso da categoria pelo mesmo índice de crescimento do custo aluno, deputados bolsonaristas e de direita votaram maciçamente contra os professores. A esquerda ficou de forma integral com o magistério.

Publicidade

Gleisi Hoffmann (PT-PR) defendeu reajuste do professor. Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados.
Gleisi Hoffmann (PT-PR) defendeu reajuste do professor. Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados.

Educação | Há uma série de tentativas na Câmara para derrubar os reajustes anuais do piso do magistério, feitos pelo mesmo índice de crescimento do custo aluno. 

Numa das principais votações até agora neste sentido, ocorrida no dia 17 deste mês e referente ao PL nº 3.776/08, apenas os parlamentares do PT, PSOL, PCdoB e Rede votaram 100% a favor de manter a regra atual de correção do piso dos professores, cuja estimativa de reajuste para 2022 é de 12,5%. Levantamento foi feito a partir de dados do portal de notícias da Câmara dos Deputados.

Deputados governistas e dos partidos de direita (PSL, DEM, PSDB, MDB, NOVO & cia), por sua vez, votaram maciçamente para rebaixar os reajustes dos educadores. Proposta dessa turma é que o piso da categoria passe a ser corrigido apenas pelo INPC dos últimos 12 meses — inflação oficial do governo, estimada para este 2021 em cerca de 7%, o que em tese seria o reajuste do próximo ano. Continua, após o anúncio.

Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) foi um dos que lutou para rebaixar o piso do magistério. Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados.
Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) foi um dos que lutou para rebaixar o piso do magistério. Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados.

Inimigos da educação e de seus profissionais

Entre os 222 deputados que votaram no dia 17 para reduzir o piso dos professores, estão bolsonaristas, governistas e direitistas de carteirinha, como Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), Carla Zambelli (PSL-SP), Bia Kicis (PSL-DF), Aécio Neves (PSDB-MG) e Kim Kataguiri (DEM-SP).

Categoria do magistério deve ficar atenta. A qualquer momento, esse PL 3.776/08 deve ir a votação final no plenário da Câmara.

Compartilhe e curta abaixo nossa página no Facebook, para receber atualizações sobre este tema.

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Doar com PagSeguro

Curta nossa página e receba atualizações sobre este tema!

Mais recentes sobre educação...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.