Colégio Militar punir professor que luta pelo piso do magistério é algo abominável e gravíssimo

23/02/2020

COMPARTILHE!

Educação / Ato ilegal e imoral da PM é prova de que professores não podem ser dirigidos por soldados.

Publicidade

Imagem: aplicativo Canva.
Imagem: aplicativo Canva.

É abominável a punição aplicada a dez professores do colégio Tiradentes, situado em Rondônia. A escola é gerida pela Polícia Militar e expulsou os docentes do estabelecimento apenas porque os mesmos queriam ir a uma reunião do sindicato para lutar pelo piso nacional do magistério e outros direitos dos educadores. 

Além de abominável e imoral, a expulsão é gravíssima, pois fere a Constituição Federal. Episódio ocorreu dia 20 deste mês e serve também para mostrar que soldados não podem dirigir professores.

Vote na enquete

Repúdio

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado de Rondônia (Sintero) lançou uma Nota Pública onde repudia o autoritarismo  do Capitão Pires e do Diretor Pedagógico, professor Lourismar. Os dois são os responsáveis pela devolução arbitrária dos servidores à Secretaria de Educação.

Ação

"Diante desse episódio, o Sintero solicita que o Ministério Público, a Assembleia Legislativa de Rondônia, o Conselho Estadual de Educação, a Secretaria de Estado da Educação e as demais entidades de grande relevância se manifestem sobre o assunto e tomem as medidas necessárias para que os servidores não sejam penalizados. Espera-se que atos como este não se repitam, pois ferem o estado democrático de direito, amparado pela Constituição Federal e pelo Plano de Carreira da categoria (Lei 680/2012), através do Art.53."

COMPARTILHE!

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e precisamos de apoio para que possamos manter nossas publicações. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Educadores repudiam descontos de salários e querem que o Sinte-Pi promova ação prática e urgente para que a governadora Regina Sousa (PT) reponha imediatamente o dinheiro cortado dos professores. Docentes exigem também que lotação original seja mantida.
No capitalismo, guerras são negócios, fome é negócio, crianças e idosos são negócios, miséria é negócio, "beleza" e "feiúra" são negócios, violência física e moral são negócios, o corpo é negócio, pessoas são negócio. Tudo é negócio...
"A lei do piso se transformará em mais uma norma sem sentido real". "Decisão se estenderá a todos os entes — estaduais e municipais." Ministro "Xandão" chegou a conclusão inusitada após embarcar em "informações e tese distorcidas prestadas pelo Estado do Pará". Avaliação consta em nota assinada pelo experiente advogado Walmir Brelaz, do Sintepp/Pa....