Colégio Militar punir professor que luta pelo piso do magistério é algo abominável e gravíssimo

23/02/2020

COMPARTILHE!

Educação / Ato ilegal e imoral da PM é prova de que professores não podem ser dirigidos por soldados.

Publicidade

Imagem: aplicativo Canva.
Imagem: aplicativo Canva.

É abominável a punição aplicada a dez professores do colégio Tiradentes, situado em Rondônia. A escola é gerida pela Polícia Militar e expulsou os docentes do estabelecimento apenas porque os mesmos queriam ir a uma reunião do sindicato para lutar pelo piso nacional do magistério e outros direitos dos educadores. 

Além de abominável e imoral, a expulsão é gravíssima, pois fere a Constituição Federal. Episódio ocorreu dia 20 deste mês e serve também para mostrar que soldados não podem dirigir professores.

Vote na enquete

Repúdio

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado de Rondônia (Sintero) lançou uma Nota Pública onde repudia o autoritarismo  do Capitão Pires e do Diretor Pedagógico, professor Lourismar. Os dois são os responsáveis pela devolução arbitrária dos servidores à Secretaria de Educação.

Ação

"Diante desse episódio, o Sintero solicita que o Ministério Público, a Assembleia Legislativa de Rondônia, o Conselho Estadual de Educação, a Secretaria de Estado da Educação e as demais entidades de grande relevância se manifestem sobre o assunto e tomem as medidas necessárias para que os servidores não sejam penalizados. Espera-se que atos como este não se repitam, pois ferem o estado democrático de direito, amparado pela Constituição Federal e pelo Plano de Carreira da categoria (Lei 680/2012), através do Art.53."

COMPARTILHE!

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e precisamos de apoio para que possamos manter nossas publicações. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
Objetivo é garantir ganho real para a categoria logo a partir de janeiro. Documento com outras importantes pautas dessa área foi entregue ao setor de educação da equipe de transição do futuro governo Lula.