Nos EUA, grandes empresas adiam reabertura por receio de pandemia crescer e forçar quarentena ainda mais dura

26/04/2020

Economia / Inúmeros capitalistas avaliam que é muito cedo para voltar, pois isso poderia contribuir para a disseminação do vírus. Matéria foi feita a partir de dados do The New York Times.

COMPARTILHE!

Publicidade

Imagem: aplicativo Canva.
Imagem: aplicativo Canva.

Enquanto no Brasil a maioria dos empresários, com o apoio do presidente Bolsonaro, ignora o coronavírus e quer reabrir tudo de qualquer jeito, nos EUA, meca do capitalismo, a coisa está um pouco diferente. 

Segundo matéria de hoje (26) do The New York Times, inúmeros donos de grandes empresas avaliam que é muito cedo para voltar. O receio é que a pandemia possa crescer e forçar um novo isolamento futuro ainda mais duro. Veja depoimentos, após o anúncio.

Depoimentos extraídos do The New Yorq Times

"O fechamento foi difícil, mas a abertura será mais difícil [ainda]", disse Rich Lesser, executivo-chefe do Boston Consulting Group. "Esta é uma questão multibilionária."

"Não posso arriscar a saúde dos clientes", disse Bahram Akradi, executivo-chefe da Life Time, uma cadeia de academias da Geórgia. Continua, após o anúncio.

"Estamos monitorando de perto a situação e abriremos nossas lojas quando acharmos que é seguro fazê-lo", disse Sandy Goldberg, porta-voz da Gap Inc., que também é proprietária da Banana Republic, Athleta e Old Navy.

"Por mais que as empresas reabram, elas são rápidas em dizer que, se seus funcionários não se sentirem seguros, eles não voltarão ao trabalho", disse Josh Bolten, diretor executivo da Business Roundtable. "E se os clientes não se sentirem seguros, eles não voltarão às lojas". Continua, após o anúncio.

Várias outras menções relativas a receio de abertura de lojas são relatadas na matéria do famoso jornal norte-americano. Há citação por exemplo da Coca Cola que, em Atlanta, adotou trabalho remoto para a maioria de seus funcionários. O The New York Times diz ainda:

"Uma das principais preocupações das empresas é que, ao reabrir cedo demais, elas poderiam contribuir para a disseminação do vírus, potencialmente desencadeando outra rodada de fechamentos de negócios nas próximas semanas ou meses".

"Já é difícil fechar a economia uma vez. Ter que fazer isso duas vezes leva a danos muito maiores", disse Rich Lesser, o executivo-chefe do Boston Consulting Group, citado no primeiro depoimento.

Será que Luciano Hang, o dono das Lojas Havan, e outros da mesma laia, seriam capazes de compreender isso?


*Os depoimentos foram traduzidos do inglês com o auxílio de ferramenta da internet. Pequenas adaptações foram feitas pelo editor do site para dar mais clareza ao que foi transcrito.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Educadores repudiam descontos de salários e querem que o Sinte-Pi promova ação prática e urgente para que a governadora Regina Sousa (PT) reponha imediatamente o dinheiro cortado dos professores. Docentes exigem também que lotação original seja mantida.
No capitalismo, guerras são negócios, fome é negócio, crianças e idosos são negócios, miséria é negócio, "beleza" e "feiúra" são negócios, violência física e moral são negócios, o corpo é negócio, pessoas são negócio. Tudo é negócio...
"A lei do piso se transformará em mais uma norma sem sentido real". "Decisão se estenderá a todos os entes — estaduais e municipais." Ministro "Xandão" chegou a conclusão inusitada após embarcar em "informações e tese distorcidas prestadas pelo Estado do Pará". Avaliação consta em nota assinada pelo experiente advogado Walmir Brelaz, do Sintepp/Pa....