"1º dia do Enem tem de ser anulado; quase 3 milhões não podem perder por causa de um governo louco"

20/01/2021

A abstenção foi altíssima, mais de 51%. Mãe de aluno diz que é inaceitável legitimar uma injustiça dessas e pede apoio da população para reverter esse quadro.

Publicidade

Maioria não pode ser prejudicada. Imagem ilustrativa: aplicativo Canva.
Maioria não pode ser prejudicada. Imagem ilustrativa: aplicativo Canva.

Educação | A carioca Célia B Aragão enviou e-mail ao Dever de Classe onde pede o apoio da população para que o primeiro dia do Enem — ocorrido domingo (17) — seja anulado e novas datas para as provas sejam marcadas novamente. Ela diz que "quase 3 milhões não podem perder por causa de um governo louco", referindo-se à fortíssima abstenção do primeiro dia — mais de 51% — e ao presidente Jair Bolsonaro, que chegou a entrar na Justiça para que o exame fosse feito em plena e perigosa pandemia de Covid-19. "Não podemos legitimar essa injustiça", afirma também. Célia Aragão é autônoma e mãe de aluno. Seu filho está entre os 2.842.332 prejudicados. Continua, após o anúncio.

Vote na enquete e, depois, continue a ler a matéria!

Proposta da mãe do aluno tem muito apoio em todo o Brasil

A proposta de anular o primeiro dia do Enem e marcar novas datas para as provas tem muito apoio em todo o Brasil, e não apenas entre os prejudicados. Segundo matéria do Globo (20), "na avaliação da educadora Maria Inês Fini, "a primeira prova do Enem, realizada no último domingo (17), deveria ser cancelada e reaplicada num momento sanitário mais responsável junto com a segunda etapa do exame, que está marcado para o próximo fim de semana." 

Fini é ex-presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e uma das idealizadoras do Exame Nacional do Ensino Médio. 

Curta abaixo nossa página no Facebook e receba em breve mais detalhes sobre este tema.

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Doar com PagSeguro

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes sobre educação...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
Objetivo é garantir ganho real para a categoria logo a partir de janeiro. Documento com outras importantes pautas dessa área foi entregue ao setor de educação da equipe de transição do futuro governo Lula.