Doença de Bolsonaro pode ser grave e internautas falam em castigo e "lei do retorno"! Leia e compartilhe...

03/02/2019
Foto: Agência Brasil
Foto: Agência Brasil

Bolsonaro apresentou reações negativas incomuns após cirurgia e internauta declarou na Folha, sobre o passado recente do capitão: "Se defendo que um torturador faz o que é certo, cedo ou tarde experimentarei dores semelhantes àquelas que ele provocou em suas vítimas indefesas." Ao final da matéria, mais declarações semelhantes a essa. 

Bolsonaro | Bem ao contrário do que disseram assessores da presidência da república, reações de Bolsonaro após cirurgia não são normais e podem indicar que a doença do capitão é bem mais grave do que se divulga. Para internautas, isto é um castigo por Bolsonaro ter defendido tortura contra a presidenta Dilma e resultado da "lei do retorno". Ler ao final da matéria.

URGENTE: Mesmo internado, Bolsonaro envia ao Congresso reforma que prevê idade mínima de 65 anos para aposentadoria


Segundo postagem da Folha de S.Paulo, (2):

"As náuseas e os vômitos apresentados neste sábado (2) pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) ocorreram porque o intestino delgado dele parou de funcionar. Tecnicamente, a condição clínica é chamada de "íleo paralítico".

"Quando o intestino delgado (íleo) para de contrair, acumula líquido no estômago. E o paciente sente náusea e ânsia de vômito."

"Diferentemente do que disseram os assessores da Presidência, não é uma 'reação normal e decorrente da retomada da função intestinal'. Algo fez o intestino parar de funcionar."


Castigo e "lei do retorno"

Diante da situação do presidente, internautas comentaram na Folha que o capitão pode estar sendo castigado por ter defendido tortura e maus tratos — durante a ditadura militar — à presidenta Dilma Rousseff. À época, Dilma era estudante e ativista de esquerda e foi barbaramente torturada a mando do coronel Ustra, herói e ídolo da família Bolsonaro.


Leia, após o anúncio:

Leia os comentários sobre "lei do retorno"

Leia também:

Jair Bolsonaro sabe que as urnas são seguras e que as pesquisas refletem vitória de Lula no primeiro turno, tal também como acertaram em relação ao próprio atual presidente em 2018. Por isso, só resta ao capitão berrar, para tentar tumultuar o dia do pleito e ganhar no grito. Coisa de baderneiro desesperado", diz o cientista político, que faz...