Número de pessoas que vivem de bicos no Brasil cresce e chega a mais de 24,6 milhões!

28/12/2019

COMPARTILHE!

Publicidade

Foto: Agência Brasil.
Foto: Agência Brasil.

Economia / Dado é do IBGE e reflete o desastre da política econômica do governo Bolsonaro.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) destaca em seu portal (27) que foi registrado no "último trimestre um crescimento de 1,2% dos trabalhadores por conta própria, ou seja, mais 303 mil pessoas se juntando ao contingente de 24,6 milhões de pessoas nessa posição.

Ou seja, o Brasil possui um exército de pessoas vivendo de bicos, a maioria em condições muito precárias. Isto, na prática, reflete o desastre da política econômica do governo Bolsonaro, voltada para a precarização do emprego e corte de direitos trabalhistas.

Desemprego

O IBGE diz também que mais de 11,9 milhões de pessoas continuam desempregadas no País. Este número se refere apenas aos que ainda tentam arranjar um posto de trabalho. Há um contingente muito maior que desistiu de procurar emprego, os chamados "desalentados".

Comemoração

Apesar dos números catastróficos, o governo Bolsonaro comemora o que chama de "recuperação" da economia, ou seja um aumento de 1,1% na geração de empregos com carteira de trabalho, segundo também o IBGE.

COMPARTILHE!

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
Objetivo é garantir ganho real para a categoria logo a partir de janeiro. Documento com outras importantes pautas dessa área foi entregue ao setor de educação da equipe de transição do futuro governo Lula.