Número de pessoas que vivem de bicos no Brasil cresce e chega a mais de 24,6 milhões!

28/12/2019

COMPARTILHE!

Publicidade

Foto: Agência Brasil.
Foto: Agência Brasil.

Economia / Dado é do IBGE e reflete o desastre da política econômica do governo Bolsonaro.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) destaca em seu portal (27) que foi registrado no "último trimestre um crescimento de 1,2% dos trabalhadores por conta própria, ou seja, mais 303 mil pessoas se juntando ao contingente de 24,6 milhões de pessoas nessa posição.

Ou seja, o Brasil possui um exército de pessoas vivendo de bicos, a maioria em condições muito precárias. Isto, na prática, reflete o desastre da política econômica do governo Bolsonaro, voltada para a precarização do emprego e corte de direitos trabalhistas.

Desemprego

O IBGE diz também que mais de 11,9 milhões de pessoas continuam desempregadas no País. Este número se refere apenas aos que ainda tentam arranjar um posto de trabalho. Há um contingente muito maior que desistiu de procurar emprego, os chamados "desalentados".

Comemoração

Apesar dos números catastróficos, o governo Bolsonaro comemora o que chama de "recuperação" da economia, ou seja um aumento de 1,1% na geração de empregos com carteira de trabalho, segundo também o IBGE.

COMPARTILHE!

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Educadores repudiam descontos de salários e querem que o Sinte-Pi promova ação prática e urgente para que a governadora Regina Sousa (PT) reponha imediatamente o dinheiro cortado dos professores. Docentes exigem também que lotação original seja mantida.
No capitalismo, guerras são negócios, fome é negócio, crianças e idosos são negócios, miséria é negócio, "beleza" e "feiúra" são negócios, violência física e moral são negócios, o corpo é negócio, pessoas são negócio. Tudo é negócio...
"A lei do piso se transformará em mais uma norma sem sentido real". "Decisão se estenderá a todos os entes — estaduais e municipais." Ministro "Xandão" chegou a conclusão inusitada após embarcar em "informações e tese distorcidas prestadas pelo Estado do Pará". Avaliação consta em nota assinada pelo experiente advogado Walmir Brelaz, do Sintepp/Pa....