Conselho Nacional diz que governo Bolsonaro não pode obrigar estados a reabrir escolas na pandemia

04/12/2020

COMPARTILHE!

Publicidade

Cecília Mota, presidente do Consed, afirma que cada unidade da federação tem autonomia para decidir pela prorrogação do ensino remoto.

Bolsonaro ameaça vetar prorrogação do ensino remoto até dezembro de 2021. Com isso, quer forçar professores e alunos a voltarem às aulas presenciais. Foto: Agência Brasil
Bolsonaro ameaça vetar prorrogação do ensino remoto até dezembro de 2021. Com isso, quer forçar professores e alunos a voltarem às aulas presenciais. Foto: Agência Brasil

Educação | Em entrevista ao Globo, Cecília Mota — presidente do Conselho Nacional de Educação (Consed) — diz que o governo federal não pode forçar o retorno das aulas presenciais nos estados. 

Cada unidade da federação, afirma também a dirigente do Consed, tem autonomia para prorrogar o ensino remoto, algo que o presidente Bolsonaro ameaça vetar, mesmo sem uma vacina contra a Covid-19, infecções e ainda muitas mortes em todo o País. Continua, após o anúncio.

Leia também:

Bolsonaro terá que aceitar o que diz a lei

Sobre essa polêmica do retorno às aulas presenciais e às escolas, o jurista Carlos P Nascimento é sintético: "Bolsonaro terá que aceitar o que diz a lei. Os estados têm autonomia para decidir pela prorrogação do ensino remoto. E, no final, o que valerá é isso, e não o que o presidente da república de forma autoritária quer."

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Doar com PagSeguro

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

1932. O mafioso Al Capone começa, em Atlanta, a cumprir uma sentença de onze anos de prisão por sonegação de impostos.

1979. Margaret Thatcher vence as eleições gerais do Reino Unido e torna-se a primeira mulher a ser primeira-ministra britânica.

No entendimento de José Professor Pachêco e Renato Coelho de Farias, a correção do piso deve ser pelo custo aluno executado, e não pelo custo aluno estimado. Deste modo, índice de 2024 é 4,70%, e não 3,62%. Nesta linha, valor nominal deste ano é R$ 4.633,44, em vez de R$ 4.580,57. Foi o que divulgamos aqui em matéria do Dever...