Para cada 100 servidores que se aposentaram, Bolsonaro só contratou 26; ruim para os concurseiros

22/01/2021

Enxugamento com fins privatistas fez o quadro de servidores federais retrair para o menor patamar em anos. Desde 2012, é a primeira vez que o número de profissionais ativos ficou abaixo de 600 mil, muito pequeno, se comparado a outros países de economia liberal.

Publicidade

Bolsonaro é uma pedra no caminho de centenas de milhares de jovens que sonham com uma vaga no governo federal. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil.
Bolsonaro é uma pedra no caminho de centenas de milhares de jovens que sonham com uma vaga no governo federal. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil.

Economia | Milhares de jovens e pessoas mais adultas votaram em Jair Bolsonaro com a crença de que ele iria impulsionar os concursos públicos, em particular no governo federal, que é de sua alçada. Teve até dono de cursinho preparatório que fez propaganda para o capitão.

Devem estar muito decepcionados, pois ocorreu exatamente o oposto. Com Bolsonaro, o número de reposições de funcionários na União caiu drasticamente. Para cada 100 que se aposentaram em 2020, por exemplo, apenas 26 foram contratados, segundo matéria da Folha de S.Paulo (21). É a maior baixa desde 2012. 

Após o anúncio, veja as milhares de vagas que abriram desde que Bolsonaro assumiu o governo e que ele não abre concurso para repor.

Aposentadorias e vagas abertas não repostas

Após a Reforma da Previdência aprovada em novembro de 2019, milhares de servidores públicos da União pediram aposentadoria, por receio de sofrer prejuízos por conta do projeto. Segundo o site Metrópoles (27.01.2020), "2019 terminou com 36 mil funcionários do governo federal indo para a inatividade." 

Os gráficos e os números abaixo projetam as contratações que deixaram de ser feitas na União relativas a 2019 e 2020, com projeção também para 2021, a partir de estimativa do Ministério da Economia, que previu 25 mil aposentadorias a cada ano após a Reforma da Previdência. Veja, após o anúncio.  

Veja os gráficos:

Importante salientar que o "número de contratados" é só uma projeção com base na realidade de 2020 exposta na matéria da Folha, onde para cada 100 que se aposentaram apenas 26 foram contratados. E também na estimativa do Ministério da Economia que calculou 25 mil aposentadorias a cada ano após a Reforma da Previdência.

Para 2021, vale o que está no gráfico de 2020.  

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
Objetivo é garantir ganho real para a categoria logo a partir de janeiro. Documento com outras importantes pautas dessa área foi entregue ao setor de educação da equipe de transição do futuro governo Lula.