Para cada 100 servidores que se aposentaram, Bolsonaro só contratou 26; ruim para os concurseiros

22/01/2021

Enxugamento com fins privatistas fez o quadro de servidores federais retrair para o menor patamar em anos. Desde 2012, é a primeira vez que o número de profissionais ativos ficou abaixo de 600 mil, muito pequeno, se comparado a outros países de economia liberal.

Publicidade

Bolsonaro é uma pedra no caminho de centenas de milhares de jovens que sonham com uma vaga no governo federal. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil.
Bolsonaro é uma pedra no caminho de centenas de milhares de jovens que sonham com uma vaga no governo federal. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil.

Economia | Milhares de jovens e pessoas mais adultas votaram em Jair Bolsonaro com a crença de que ele iria impulsionar os concursos públicos, em particular no governo federal, que é de sua alçada. Teve até dono de cursinho preparatório que fez propaganda para o capitão.

Devem estar muito decepcionados, pois ocorreu exatamente o oposto. Com Bolsonaro, o número de reposições de funcionários na União caiu drasticamente. Para cada 100 que se aposentaram em 2020, por exemplo, apenas 26 foram contratados, segundo matéria da Folha de S.Paulo (21). É a maior baixa desde 2012. 

Após o anúncio, veja as milhares de vagas que abriram desde que Bolsonaro assumiu o governo e que ele não abre concurso para repor.

Aposentadorias e vagas abertas não repostas

Após a Reforma da Previdência aprovada em novembro de 2019, milhares de servidores públicos da União pediram aposentadoria, por receio de sofrer prejuízos por conta do projeto. Segundo o site Metrópoles (27.01.2020), "2019 terminou com 36 mil funcionários do governo federal indo para a inatividade." 

Os gráficos e os números abaixo projetam as contratações que deixaram de ser feitas na União relativas a 2019 e 2020, com projeção também para 2021, a partir de estimativa do Ministério da Economia, que previu 25 mil aposentadorias a cada ano após a Reforma da Previdência. Veja, após o anúncio.  

Veja os gráficos:

Importante salientar que o "número de contratados" é só uma projeção com base na realidade de 2020 exposta na matéria da Folha, onde para cada 100 que se aposentaram apenas 26 foram contratados. E também na estimativa do Ministério da Economia que calculou 25 mil aposentadorias a cada ano após a Reforma da Previdência.

Para 2021, vale o que está no gráfico de 2020.  

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...
Sobras de recursos devem ser pagas em forma de abono até o dia 31 deste mês. Devido ao aumento do percentual mínimo que deve ser gasto durante o ano com o magistério e ausência de reajuste salarial, estados, DF e municípios devem devolver dinheiro não utilizado aos educadores. Preencha os campos e veja o resultado em seguida.
Quem tem carga horária menor receberá menos, R$ 12.400. Benefícios desse tipo estão sendo anunciados e pagos em todo o Brasil e são obrigatórios, caso um prefeito ou governador não tenha gasto neste ano o percentual mínimo de 70% do Fundeb com a folha do magistério. Educadores de todas as localidades têm de cobrar do Conselho desse fundo e...
Prefeitos e governadores, principalmente os primeiros, anunciam ações radicalizadas neste mês de dezembro para tentar derrubar o reajuste de 31,3% previsto para o magistério. Em sentido contrário, isto é, em defesa desse aumento, categoria deve também partir para a ação.