Brasil continua a bater recordes negativos em relação ao coronavírus

31/05/2020

Já são 28.834 mortes e País perde apenas para Estados Unidos (103.605), Reino Unido (38.458) e Itália (33.340). Dados são da universidade norte-americana Johns Hopkins.

COMPARTILHE!

Publicidade

Número de mortes cresce, enquanto o presidente Jair Bolsonaro continua a pregar contra o isolamento social e ameaça instalar nova ditadura no País. Foto: Agência Brasil
Número de mortes cresce, enquanto o presidente Jair Bolsonaro continua a pregar contra o isolamento social e ameaça instalar nova ditadura no País. Foto: Agência Brasil

Saúde | Segundo dados do Ministério da Saúde, o Brasil registrou ontem (30) 956 novos óbitos por Covid-19. Com isso, ultrapassou a França em mortes e chegou ao 4º lugar em fatalidades decorrentes da doença no mundo.

O País já tem 28.834 mortes e 498.440 casos, dos quais 33.274 foram registrados nas últimas 24 horas, o terceiro recorde na semana. Enquanto isso, o presidente Jair Bolsonaro continua a pregar contra o isolamento social, defender cloroquina e ameaça instalar nova ditadura no País. 

Após o anúncio, veja a evolução da doença no mundo e como o Brasil foi crescendo em número de mortos.

Números alarmantes

Matéria do Globo (30) destaca:

De acordo com a universidade norte-americana Johns Hopkins, quando observado o número de mortes, o Brasil perde apenas para Estados Unidos (103.605), Reino Unido (38.458) e Itália (33.340). A França, que agora está em 5º lugar, tem 28.717 óbitos pelo novo coronavírus, enquanto a Espanha tem 27.125 mortes. 

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
Objetivo é garantir ganho real para a categoria logo a partir de janeiro. Documento com outras importantes pautas dessa área foi entregue ao setor de educação da equipe de transição do futuro governo Lula.