Urgente | Bolsonaro volta atrás de novo e anuncia fim do Ministério do Trabalho! Leia e compartilhe...

03/12/2018 13:13

Presidente eleito alertou que MT seria fechado, pois disse durante campanha que trabalhadores têm que escolher entre emprego e direitos / Foto: José Cruz/Agência Brasil
Presidente eleito alertou que MT seria fechado, pois disse durante campanha que trabalhadores têm que escolher entre emprego e direitos / Foto: José Cruz/Agência Brasil

Servidores do órgão estão apavorados, vez que o capitão tinha prometido não mais extinguir o MT. Especialista diz que funcionários terão prejuízos já a curto prazo

Economia | O presidente eleito Jair Bolsonaro voltou atrás novamente e decidiu que o Ministério do Trabalho (MT) será extinto. Em novembro último, o capitão já tinha anunciado que fecharia o MT. No entanto, após reação negativa da sociedade e de servidores do órgão, deu um recuo e acenou que manteria a pasta. Com o anúncio de um hoje (3) — feito em entrevista à rádio Gaúcha pelo futuro ministro da Casa Civil Onyx Lorenzoni — fica decretado que o MT fechará mesmo suas portas.

Como fica

Durante a entrevista, o futuro chefe da Casa Civil disse que o MT será fatiado em três secretarias: Economia, Cidadania e Justiça.

"O atual Ministério do Trabalho como é conhecido ficará uma parte no ministério do doutor [Sergio] Moro, outra parte com Osmar Terra e outra parte com o Paulo Guedes, lá no ministério da Economia, para poder tanto a parte do trabalhador e do empresário dentro do mesmo organograma", afirmou Lorenzoni.


Leia também:

"Estou sem dormir. E o pior que acreditei no capitão", diz emocionada uma funcionária do Ministério do Trabalho!


Servidores

O representante do futuro governo não deu detalhes de como ficará a situação dos servidores do atual Ministério do Trabalho quando o órgão for extinto no início de 2019. Mas, de antemão, especialistas dizem que eles terão muitos prejuízos já a curto prazo. "Você sai do status de funcionário de ministério para servidor de secretaria. É um rebaixamento, não tenho dúvidas", diz o economista carioca Paulo Gadelha, especialista em administração pública.

Leia também: