Governo quer acabar com deduções no IR de pessoas físicas e criar imposto sobre compras em lojas virtuais

21/07/2020

Medidas deverão fazer parte da Reforma Tributária que o presidente Bolsonaro começa a enviar ao Congresso Nacional.

COMPARTILHE!

Publicidade

Foto: Agência Brasil
Foto: Agência Brasil

Economia | Na Reforma Tributária que o governo Bolsonaro começa a enviar hoje (21) ao Congresso Nacional, duas propostas são muito ruins à maioria da população, em particular a amplos setores da classe média. Uma delas é o fim das deduções no Imposto de Renda das pessoas físicas. E a outra seria a criação de um imposto sobre compras em lojas virtuais. Continua, após o anúncio.

Fim das deduções no IR

O fim das deduções no Imposto de Renda das pessoas físicas, se aprovado, significará menos dinheiro no bolso de amplos setores da classe média, que geralmente têm gastos particulares com saúde, educação e outros. Pelas regras atuais, tais despesas podem ser descontadas na hora da declaração anual obrigatória. O governo quer acabar, segundo Pablo Ortellado, em artigo na Folha de S.Paulo (21). Ortellado é professor do curso de gestão de políticas públicas da USP e doutor em filosofia. Continua, após o anúncio.

Imposto sobre compras on-line

O imposto digital ou sobre transações eletrônicas significa que os produtos comprados em lojas virtuais na prática ficarão mais caros. Segundo matéria da Folha de S.Paulo (14), o ministro Paulo Guedes quer criar uma alíquota de 0,2% sobre cada transação. Todos serão obrigados a pagar.

Essas duas medidas deverão ficar para a segunda parte da reforma.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Prefeitos e governadores querem empurrar a questão até próximo das eleições, quando dirão, também de forma descabida, que correção salarial estará proibida. Professores não devem iniciar o ano letivo para garantir o direito no máximo até fevereiro, aconselha especialista.
Professora Dorinha é presidente da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados e diz que não há lacuna para que o percentual de 33,23% não seja cumprido urgentemente, tal como reza a lei 11.738/2008. O Dever de Classe entrou em contato com a assessoria da parlamentar e obteve mais informações sobre as ações que poderão ser feitas.