Governo Bolsonaro acaba aposentadoria especial dos professores! Haverá contagem de pontos. Saiba mais e compartilhe...

04/02/2019 20:33

Antes de se internar para nova cirurgia, Bolsonaro tratou com sua equipe econômica de todos os detalhes da reforma da previdência. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Antes de se internar para nova cirurgia, Bolsonaro tratou com sua equipe econômica de todos os detalhes da reforma da previdência. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Pelo projeto exposto no site do Estadão, aposentadoria integral será apenas para professores que cumprirem no mínimo 40 anos de sala de aula. E só vai para casa quem alcançar idade mínima de 60 anos. Reforma terá que ser aprovada no Congresso Nacional

Dinheiro | O governo Jair Bolsonaro (PSL) criou projeto de reforma da previdência que na prática acaba a aposentadoria especial dos professores. Pelas regrais atuais, docentes se aposentam com cinco anos a menos de contribuição à previdência em relação aos demais trabalhadores. É uma forma de minimizar o enorme desgaste do exercício dessa profissão. Agora — pelo que está exposto em matéria no site do Estadão — professores terão que cumprir no mínimo 40 anos de sala de aula para ter direito à aposentadoria integral. E só poderão ir para casa a partir de idade mínima de 60 anos. Não é aposentadoria aos 60 anos. É aposentadoria a partir dessa idade, ou seja, pode chegar a 70, 75 ou mais. Embora o governo queira impor novas regras para aposentadoria, reforma terá ainda que passar pelo Congresso Nacional para ser aprovada. Vote na enquete ao final da matéria e diga se é contra ou a favor dessa reforma.

Leia também:

Com reforma, professores podem tentar mudar de função, para evitar mais tempo em sala de aula e doenças!

Governo confirma que regras atuais da aposentadoria especial dos professores devem mesmo acabar

Aposentada envia ao governo proposta de Reforma da Previdência que amplia direitos e pune grandes sonegadores!

Veja regras atuais e como se aposentar com benefício integral antes da reforma de Bolsonaro!

Aposentadoria integral só após 40 anos de sala de aula é repudiada por milhares de professores!


Pontos

Pela regra de transição anunciada no Estadão, a partir de 2020 professores terão obrigatoriamente também que somar pontos para adquirir o direito de se aposentar. Para o cálculo, soma-se idade + tempo de contribuição. Professoras começam com 81 pontos. E professores com dez a mais, ou seja, 91 pontos.


Exemplo

Caso a reforma seja aprovada, se uma professora  avaliar que em 2020 adquiriu o direito de se aposentar ela terá que estar dentro desse critério de pontuação. Se tiver, por exemplo, 51 anos de idade, terá que ter no mínimo 30 de contribuição. Ou seja, iniciou na sala de aula aos 20 anos e não deixou de contribuir em nenhum mês. O mesmo raciocínio vale para o professor, só que com dez anos a mais no somatório idade + contribuição, isto é, de forma piorada em relação à mulher.


Pontuação aumenta até o limite de 100

A cada ano que passa, somatório cresce um ponto até o limite de 100. Nesse limite de 100, se uma professora que tem 60 anos de idade quiser se aposentar, terá que ter contribuído por 40 anos. O mesmo valerá para o professor. Quarenta anos, aliás, é o tempo mínimo de contribuição previsto na reforma para quem quiser aposentadoria integral. Continua, após o anúncio.

Aposentadoria integral (quase) impossível

Ao final da regra de transição, só terá aposentadoria integral quem contribuir por no mínimo 40 anos para a previdência. No caso de uma professora ou professor da rede pública que tenha iniciado na sala de aula aos 25 anos de idade, somente aos 65 conquistará uma aposentadoria integral. Ou seja, 40 anos de sala de aula. Caso queira se aposentar com a idade mínima de 25 anos de contribuição (atualmente é 15), só leva 60% do salário.


Fale sem paixão: você que votou ou não em Jair Bolsonaro, acha que essa reforma é boa ou ruim para os professores? Dê sua opinião na enquete abaixo.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Leia também:

Educação | O piso nacional dos professores pode estar com seus dias contados. Segundo matéria do site Congresso em Foco, a Confederação Nacional dos Municípios — CNM — quer apresentar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para rever as regras do Fundeb. Proposta é também endossada pela ONG "Todos pela Educação". Continua, após o anúncio....