Aluno paga dois reais por hora em bar para acessar aula a distância

11/05/2020

Educação / Caso não é isolado e mostra o fracasso geral que é a adoção de 'aulas remotas' em tempos de coronavírus em todo o Brasil.

COMPARTILHE!

Publicidade

Imagem ilustrativa: aplicativo Canva.
Imagem ilustrativa: aplicativo Canva.

O professor Kassyus Lages informa em vídeo publicado nas redes sociais que encontrou um aluno menor de idade pagando R$ 2,00 por hora de internet para acessar o chamado "ensino remoto" instituído pela Seduc-Pi. E o mais grave do fato: o local onde o garoto foi encontrado é um bar, localizado na zona rural de Barras, cidade do interior do Piauí. Lages é vice-presidente do Sinte-Pi. Ver vídeo ao final da matéria.

O caso não é isolado e mostra o fracasso geral que é a adoção de "aulas remotas" ou EAD — Ensino a Distância — em tempos de coronavírus no Brasil. Continua, após o anúncio.

Muitos outros casos

O caso exposto pelo professor Kassius Lages não é único no Brasil. A instituição de "aulas remotas" tem sido em geral um retumbante fracasso em todo o território nacional, inclusive nas chamadas escolas privadas de 'ponta'.

Fizemos uma pequeno apanhado sobre o tema através de consultas via Messenger e no geral o que se diz sobre o ensino a distância é que não é aplicável de forma satisfatória à Educação Básica. Dentre os principais motivos elencados, destacamos: (Ver após o anúncio).

  • Ampla maioria dos alunos, em particular das redes públicas, não pode acessar porque simplesmente não tem internet de qualidade em casa.
  • Professores no geral não têm qualquer treinamento para tal modalidade de ensino.
  • É praticamente impossível 'prender' a atenção dos alunos através de "aulas remotas" nessa etapa de ensino.
  • O ambiente de relativo estresse provocado pelo isolamento social e pela pandemia impede que os pais ou responsáveis possam acompanhar de forma mais eficiente os filhos no uso do ensino a distância.

Após o anúncio, veja o vídeo onde o professor Kassius Lages, em conjunto com a jornalista Gleydjane Moura e a presidente do Sinte-Pi — professora Paulina Almeida — falam sobre os problemas causados pela instituição de ensino a distância.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Educadores repudiam descontos de salários e querem que o Sinte-Pi promova ação prática e urgente para que a governadora Regina Sousa (PT) reponha imediatamente o dinheiro cortado dos professores. Docentes exigem também que lotação original seja mantida.
No capitalismo, guerras são negócios, fome é negócio, crianças e idosos são negócios, miséria é negócio, "beleza" e "feiúra" são negócios, violência física e moral são negócios, o corpo é negócio, pessoas são negócio. Tudo é negócio...
"A lei do piso se transformará em mais uma norma sem sentido real". "Decisão se estenderá a todos os entes — estaduais e municipais." Ministro "Xandão" chegou a conclusão inusitada após embarcar em "informações e tese distorcidas prestadas pelo Estado do Pará". Avaliação consta em nota assinada pelo experiente advogado Walmir Brelaz, do Sintepp/Pa....