Calote nos professores emperra novela da Pec 23

28/10/2021

Votação do projeto, no entanto, está marcada para esta quinta-feira.

Presidente Jair Bolsonaro quer financiar programa eleitoreiro com dinheiro do magistério. Foto: Agência Brasil.
Presidente Jair Bolsonaro quer financiar programa eleitoreiro com dinheiro do magistério. Foto: Agência Brasil.

Educação | Novela da Pec 23/2021 continua a se arrastar no Plenário da Câmara. Intenção do presidente Jair Bolsonaro era aprovar a medida com urgência, pois precisa do dinheiro que quer confiscar dos professores e de outras dívidas da União para financiar seu programa eleitoreiro "Auxílio Brasil". Calote no magistério, no entanto, fez aprovação emperrar. Continua, após o anúncio.

Deputado denuncia

Segundo matéria da Agência Câmara de Notícias (27), o deputado Ivan Valente (PSOL-SP) denunciou o calote no magistério: "A PEC criou um parcelamento de precatórios que engloba Estados e municípios, sobretudo, de dívidas representadas em precatórios advindos do Fundef, ou seja, representa um calote aos entes subnacionais, particularmente da Educação, em nosso País", afirmou o parlamentar.

Votação

Arthur Lira (PP-AL) pôs o projeto novamente na agenda da Câmara desta quinta-feira (28). O Dever de Classe acompanhará a sessão, que tem início marcado para as 9h. Governo Bolsonaro precisa de, no mínimo, 308 votos para a aprovar a medida.


Compartilhe e curta abaixo nossa página no Twitter e Facebook, para receber atualizações sobre este tema. E aproveite para deixar também uma contribuição para o nosso site.

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Chave para Pix

E-mail: pix@deverdeclasse.org - João R P Landim Nt

Siga-nos!

Mais recentes sobre educação...

Dinheiro iria para o FNDE, órgão responsável pela transferência de recursos financeiros e assistência técnica aos estados, municípios e ao Distrito Federal. É mais problemas à vista para a educação pública e seus profissionais. Ministério do Trabalho e Previdência também sofreu corte.