Mais gente para comer o bolo, menor o pedaço de cada um

19/12/2021
Abertura sem critérios técnicos ou pedagógicos na subvinculação de 70% dos recursos do Fundeb joga por terra qualquer perspectiva de valorização do magistério, em particular dos professores. Imagem: aplicativo Canva.
Abertura sem critérios técnicos ou pedagógicos na subvinculação de 70% dos recursos do Fundeb joga por terra qualquer perspectiva de valorização do magistério, em particular dos professores. Imagem: aplicativo Canva.

Landim Neto, editor do site 

+ artigos deste autor

Educação | A aprovação do PL 3418/21 na Câmara (16) joga por terra qualquer perspectiva de valorização do magistério, em particular dos professores. Medida altera Lei do Fundeb e contraria a LDB para permitir que qualquer servidor lotado nas redes públicas de ensino da Educação Básica seja incluído na subvinculação de 70% dos recursos desse fundo destinados a pagamento de pessoal. Os dados abaixo ilustram a situação. 

Como se vê, montante de recursos oriundo da subvinculação de 70% será repartido com um contingente bem maior de pessoas lotadas nas redes de Educação. Até mesmo porque prefeitos e governadores — com fins eleitoreiros — aproveitarão a brecha legal para inchar a máquina pública nessa área.

Tal realidade trará consequências desastrosas — a curto, médio e longo prazos — para os professores e o pessoal de apoio à docência. E também, como não poderia deixar de ser, para os novos que passarão a se beneficiar desse percentual ora em discussão. 

Se hoje já é coisa rara um governante falar em reajuste de salário para o pessoal da Educação, com tal medida, a tendência é a valorização de quem atua nessa área virar só mesmo tema de livros de História. É que, com mais gente para comer do bolo, menor ficará o pedaço de cada um.

E não só as atualizações salariais ficarão inviabilizadas. Repartir sem critérios adequados as verbas da Educação fará também com que não sobrem mais recursos ao fim de cada exercício. Com isso, notícias de rateio e abono do Fundeb — como se vê neste ano em todo o País — sumirão do noticiário nacional.

Em síntese: para os profissionais do magistério, esse PL 3418/21 é, de fato, desastroso.



Compartilhe e curta abaixo nossa página no Twitter e Facebook, para receber atualizações sobre este tema. Aproveite para deixar uma pequena doação ao nosso site.

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

PIX - Celular 86988453625 João R P Landim Nt

Siga-nos!

Mais recentes sobre educação

Professora Dorinha é presidente da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados e diz que não há lacuna para que o percentual de 33,23% não seja cumprido urgentemente, tal como reza a lei 11.738/2008. O Dever de Classe entrou em contato com a assessoria da parlamentar e obteve mais informações sobre as ações que poderão ser feitas.
Educadora diz que "é uma tristeza ver uma professora usar o nome de Deus para defender um presidente satânico e que "se não houver paralisação nacional e luta não haverá aumento de salário nenhum".