Que fazer? | Quando a doença é muito grave, o remédio tem que ser amaríssimo! Leia e compartilhe...

11/04/2018 10:13

Foto: Agência Brasil
Foto: Agência Brasil

Por Landim Neto* | Imagine alguém que vá ao médico com queixa de rouquidão. O médico examina cuidadosamente e faz o diagnóstico rápido de que trata-se apenas de uma leve irritação nas cordas vocais. Passa então umas suaves e deliciosas pastilhas aromáticas. Em poucas horas, o problema desaparece definitivamente. Ótimo.

Imagine agora outra pessoa que vá ao médico com a mesma queixa do indivíduo anterior. O médico examina com atenção, prescreve uma bateria de exames e apresenta um diagnóstico assustador: é câncer na garganta em estado avançado. Receita: intervenção cirúrgica associada a quimioterapia.

É natural que o segundo paciente e todos os seus familiares entrem em pânico, desespero. Antes de se submeter ao tratamento, o enfermo e sua família já projetam em suas mentes os possíveis efeitos colaterais do mesmo: prostração, queda de cabelo, vômitos, estresse, envelhecimento precoce... Um horror.

Mas decidem enfrentar e a cura é alcançada com 100% de êxito. Excelente. (Continua após o anúncio).

Analogias não são simples de se fazer, mas a situação política de Lula — hoje um homem preso — é muito similar ao estado do segundo paciente quando procurou o médico pela primeira vez. Lula e nossa democracia vivem uma situação política muito grave, algo que só pode ser solucionado com um remédio amaríssimo, isto é, muito amargo.

Diante disso, em nossa opinião, o PT e todas as forças progressistas do País deveriam associar à defesa que já se faz de Lula nas instâncias da justiça burguesa os métodos de luta direta mais contundentes da classe trabalhadora. 

Neste sentido, é preciso parar com força a reprodução do capital no Brasil e usar os bisturis afiados de uma greve geral para intervir com precisão no bolso dos grandes patrões. É preciso derrotar os fascistas e os métodos que ora adotam para perseguir os trabalhadores, em particular o maior líder popular brasileiro de todos os tempos. (Continua após o anúncio).

Parar os metalúrgicos, os petroleiros, os aeroportuários, os bancos e os químicos. É difícil que a burguesia resista por três dias a uma intervenção terapêutica dessa natureza. 

Historicamente, esse é o remédio que tem sido mais eficaz quando a situação é grave como a que se chegou. Lula está preso. O caso, em estado avançado. Não dá mais para apostar apenas numa saída por dentro da institucionalidade burguesa. 

É preciso, na prática, dar altíssimos prejuízos econômicos à classe alta golpista. É preciso sair de remédios simples — como pacíficas manifestações — e passar ao uso de terapias mais pesadas, como uma greve geral.

Mas poderão dizer: organizar greve geral é muito difícil. Sim. É muito difícil. Mas tal como quimioterapia ou intervenção cirúrgica para quem está com câncer, não é algo impossível de se fazer.

O que está claro é que assim como não se cura um problema gravíssimo na garganta com deliciosas e suaves pastilhas aromáticas, não se combate com eficiência ditaduras por dentro de instituições legais controladas por fascistas. Ou alguém tem alguma saída melhor?

*Landim Neto é editor do Dever de Classe

LEIA TAMBÉM:

DA REDAÇÃO | O deputado Jair Bolsonaro (PSL-Rio) é só um laranja do PSDB, embora tenha conquistado uma legião de seguidores que tem forte antipatia pelos tucanos. Por que os fãs do "mito" não percebem que estão sendo enganados? Porque se guiam muito pela emoção e não por qualquer ínfimo sentido de racionalidade.