Servidor deve olhar com sangue nos olhos para cada parlamentar que votar a favor da Pec 32

25/09/2021

Projeto visa tornar o serviço público uma mera extensão dos interesses de grandes corporações econômicas e reeditar velhas práticas coronelistas do século passado.

Publicidade

Landim Neto, editor do Dever de Classe. Imagem: arquivo pessoal
Landim Neto, editor do Dever de Classe. Imagem: arquivo pessoal

Economia | Em termos de modernidade, a Pec 32 do governo Bolsonaro é tão atual quanto a volta da ditadura militar que o capitão-presidente gosta de defender. Projeto permite contratação temporária e sem concurso público por até dez anos. Com outras palavras, é a reedição de velhas práticas coronelistas da primeira metade do século passado, onde órgãos governamentais eram meros currais eleitorais dos políticos inescrupulosos de então.

Além de anacrônica, Pec 32 é privatista. Privatizar, aliás, é seu objetivo-alvo. Projeto visa transformar o serviço público em mais uma alta fonte de renda para meia dúzia de grandes capitalistas, que não veem a hora de botar com mais força as mãos no dinheiro do SUS e Fundeb. Medida tem um artigo especial — 37 A — que prevê tal "modernização".

Projeto é também exclusivista, pois protege a casta do serviço público que de fato ganha altíssimos salários e tem muitos outros privilégios. Juízes, desembargadores, membros do Ministério Público, cúpulas das polícias e parlamentares: nestes, a Pec 32 não mexe. São eles que garantirão a "lei e a nova ordem", caso a medida seja de fato aprovada.

Por ser exclusivista, Pec 32 é também excludente. Protege totalmente os que ficam fora do texto e alguns outros poucos setores que enquadra em suas linhas como "carreiras típicas de Estado". 

Os demais — a ampla maioria —, exclui de direitos, em particular os da Saúde e Educação. Na verdade, docente, enfermeira, zelador(a) de escola... Todos estão sendo carimbados como "caros e ineficientes", categorias usadas de forma canalha pelo governo e 'grande mídia' para justificar a proposta.

Se fosse qualificar essa Pec 32 em um único termo, diria que é nojenta, voltada a transformar o serviço público em uma mera extensão dos interesses privados. Servidor deve olhar com sangue nos olhos para cada deputado ou senador que votar a favor desse projeto.


Após o anúncio, confira os nomes dos deputados que votaram a favor da Pec 32 na Comissão Especial da Câmara.

Deputados que votaram a favor da Pec 32 na Comissão Especial da Câmara:

Carlos Jordy (PSL-RJ)
Coronel Tadeu (PSL-SP)
Luiz Lima (PSL-RJ)
Arthur O. Maia (DEM-BA)
Kim Kataguiri (DEM-SP)
Marcel van Hattem (NOVO-RS)
Alceu Moreira (MDB-RS)
Mauro Lopes (MDB-MG)
Bosco Costa (PL-SE)
Giovani Cherini (PL-RS)
Paulo Ganime (NOVO-RJ)
Fernando Monteiro (PP-PE)
Ricardo Barros (PP-PR)
Darci de Matos (PSD-SC)
Misael Varella (PSD-MG)
Stephanes Junior (PSD-PR)
Aroldo Martins (REP-PR)
Henrique Paraíso (REP-SP)
Roberto Alves (REPUBLICANOS-SP)
Lucas Gonzalez (NOVO-MG)
Samuel Moreira (PSDB-SP)
EuclydesPettersen (PSC-MG)
Marcelo Moraes (PTB-RS)
Alex Manente (CIDADANIA-SP)
Gastão Vieira (PROS-MA)
Tiago Mitraud (NOVO-MG)
Evair de Melo (PP-ES)
Sergio Souza (MDB-PR)


Compartilhe e curta abaixo nossa página no Twitter e Facebook, para receber atualizações sobre este tema. E aproveite também para deixar uma pequena doação ao nosso site.

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

PIX - Celular 86988453625 João R P Landim Nt

Siga-nos!

Mais recentes sobre economia

Incluído valor da Educação, última parcela de novembro do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) chega a quase R$ 3 bi. Com tais somas, mês fecha com R$ 12,7 bilhões, 29,18% maior do que o total repassado no mesmo mês de 2020 — R$ 9,8 bilhões. Festa geral, algo que ajuda a viabilizar, por exemplo, o reajuste dos professores em janeiro de 2022....