Pimenta diz que Ministério Público protege laranja da 'família metralha'! Leia e compartilhe...

28/12/2018

"A Lava Jato diante do Queiroz e do clã Bolsonaro vai mudar de nome e passará a se chamar Passa Pano" 

Política | O líder do PT na Câmara — deputado Paulo Pimenta — fez hoje (28) duras críticas ao Ministério Público por conta do tratamento benevolente que o órgão deu ao motorista Queiroz. Em Nota, o MP diz reconhecer que o motorista "sofre de grave doença" e aceitou que o amigo íntimo dos Bolsonaro deponha só quando ficar bom. 

Pimenta — em vídeo divulgado pelas redes sociais — diz que isso é um absurdo e um ato de covardia do Ministério Público. "A Lava Jato diante do Queiroz e do clã Bolsonaro vai mudar de nome e passará a se chamar Passa Pano".  Leia as críticas:

"É no mínimo ridícula a posição do Ministério Público sobre esse assunto do Queiroz, o laranja da família metralha. O Ministério Público deu uma declaração, que é uma espécie de declaração do advogado de defesa: que o Queiroz está doente e que, portanto, é necessário que se aguarde ele fazer uma cirurgia para prestar depoimento".

"Se ele [Queiroz] pôde dar uma entrevista ao SBT, porque não pode dar um depoimento ao Ministério Público? Se ele tem condições de falar com a imprensa, tem todas as condições de prestar um depoimento antes da cirurgia. É ridículo, isso é jogo de cena, é inaceitável a covardia do Ministério Público no caso do Queiroz". 

Fabrício Queiroz — amigo próximo da família Bolsonaro e ex-assessor de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro — foi flagrado pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) em transações bancárias que somam R$ 1,28 milhão. Os valores são incompatíveis com sua renda. Depois de semanas em silêncio, ele argumentou em entrevista que os valores se devem a sua atividade informal como vendedor de veículos.

Fonte: PT na Câmara

Mais recentes sobre política:

Jair Bolsonaro sabe que as urnas são seguras e que as pesquisas refletem vitória de Lula no primeiro turno, tal também como acertaram em relação ao próprio atual presidente em 2018. Por isso, só resta ao capitão berrar, para tentar tumultuar o dia do pleito e ganhar no grito. Coisa de baderneiro desesperado", diz o cientista político, que faz...