Moro desiste de 2022, mas quer apoiar nome em troca de vaga no STF, diz coluna de O Globo

10/01/2021

Isto, caso se confirme, é mais uma prova de que Sérgio Moro não passa de um oportunista inescrupuloso, que vende até a alma em troca de um cargo no Supremo, algo que tentou com Bolsonaro e se deu mal.

Publicidade

Ex-juiz Sérgio Moro prendeu Lula injustamente para ajudar Bolsonaro a se eleger. Depois, ganhou cargo de ministro da Justiça e promessa de vaga no STF. Mas foi demitido de forma humilhante. Foto/Reprodução.
Ex-juiz Sérgio Moro prendeu Lula injustamente para ajudar Bolsonaro a se eleger. Depois, ganhou cargo de ministro da Justiça e promessa de vaga no STF. Mas foi demitido de forma humilhante. Foto/Reprodução.

Política | Coluna do Lauro Jardim — do Globo (10) — informa que os planos de 2022 do ex-juiz Sérgio Moro é não se candidatar a presidente, mas apoiar alguém que em troca lhe dê uma vaga no STF

Isto, caso se confirme, é mais uma prova de que Moro não passa de um oportunista inescrupuloso, que vende até a alma em troca de um cargo no Supremo, algo que tentou com Bolsonaro e se deu mal. Continua, após o anúncio.

O que diz Lauro Jardim no Globo:

Um dos amigos mais próximos de Sergio Moro desenhou recentemente a um interlocutor o que seriam os planos do ex-juiz para 2022.

Moro não será candidato no ano que vem.

Mas apoiaria um nome que, em troca, realizaria o seu grande sonho: ser indicado ao Supremo, algo que Jair Bolsonaro prometeu e... deu no que deu.

Não é a toa que o deputado Glauber Braga (PSOL-RJ) diz que Sérgio Moro é um "juiz ladrão".

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Educadores repudiam descontos de salários e querem que o Sinte-Pi promova ação prática e urgente para que a governadora Regina Sousa (PT) reponha imediatamente o dinheiro cortado dos professores. Docentes exigem também que lotação original seja mantida.
No capitalismo, guerras são negócios, fome é negócio, crianças e idosos são negócios, miséria é negócio, "beleza" e "feiúra" são negócios, violência física e moral são negócios, o corpo é negócio, pessoas são negócio. Tudo é negócio...
"A lei do piso se transformará em mais uma norma sem sentido real". "Decisão se estenderá a todos os entes — estaduais e municipais." Ministro "Xandão" chegou a conclusão inusitada após embarcar em "informações e tese distorcidas prestadas pelo Estado do Pará". Avaliação consta em nota assinada pelo experiente advogado Walmir Brelaz, do Sintepp/Pa....